Mapa das Ilhas Belcher

Descrição

Este mapa é o objeto central na história de como o conhecimento geográfico foi passado de um homem Inuk chamado Wetalltok para um explorador não-nativo. Em um artigo na revista Geographical Review em 1918, Robert J. Flaherty (1884-1951) relatou a história de como, enquanto estava à procura de depósitos de minério de ferro na costa leste da baía de Hudson, no Canadá, Wetallok explicou a complexidade do sistema da ilha da baía e compartilhou com ele este mapa esquimó notavelmente preciso, o qual foi reproduzido por Flaherty no artigo. Posteriormente, Flaherty tornou-se diretor e produtor, cujo primeiro filme Nanook, O Esquimó(1922), foi um dos melhores documentários conhecidos da era do cinema mudo. Em seu livro de 1924, Flaherty também contou a história de seu encontro com Wetallok, Meus Amigos Esquimós: “Nanook do Norte.” Historiadores recentes da cartografia, especialmente G. Malcolm Lewis, em Encontros Cartográficos: Perspectivas sobre a Elaboração e Uso de Mapas pelos Nativos Americanos, e Lewis e David Woodward, em História da Cartografia, também usaram o mapa como um exemplo de cartografia indígena. O mapa é desenhado com lápis na parte de trás de uma litografia missionária. As anotações estão em inglês e no alfabeto inuktitut. As anotações de Flaherty incluem "Little Whale River" [com seta], "Whale River" [com seta], e "3 dias = cães = aprox. 70 milhas.”

Última Atualização: 21 de março de 2016