A roda calendária asteca de Boban

Descrição

Esta roda calendária pictórica asteca, normalmente conhecida como o roda calendária de Boban, está impressa em papel amatl (casca de figo). Data inicialmente de cerca de 1530, recebeu agora uma data mais precisa entre 1545-1546. A data inicial era proveniente da identificação de duas figuras mostradas no documento, uma acredita-se ser de Hernán Cortés e a outra de Dom Antonio Pimentel Tlahuitoltzin, descrito como o filho de Ixtlilxochitl. A estudiosa Patricia Lopes Don defendeu a data de 1545-1546 com base no fato de que Don Antonio Pimentel Tlahuitoltzin era o governante de Texcoco de Mora entre 1540-1546. O círculo externo do calendário é composto de glifos para os 18 meses de veintenas (20 dias), os quais compõem o calendário asteca. Este círculo exterior envolve uma história de três partes centrais com três pares de figuras e glosas em náuatle e espanhol. O calendário circular de Boban é o resultado de uma disputa de sucessão entre a família de Dom Antonio Pimentel Tlahuitoltzin, mostrado sentado no canto superior direito, representado por seu herdeiro Dom Hernando de Chávez, a figura sentada no canto superior esquerdo, e Dom Carlos Ometochtli Chichimecatecotl, que foi apoiado pela Espanha. Este documento destina-se a provar que Dom Antonio Pimentel Tlahuitoltzin tinha o direito legal de ser governante de Texcoco de Mora. O círculo exterior do calendário, bem como a história de três partes centrais, foi colorido a mão e provavelmente desenhado e composto por duas pessoas. O calendário tem o nome em homenagem a Eugène Boban, um arqueólogo e colecionador francês. Ele ganhou atenção geral em 1866, quando o coronel Luís Doutrelaine publicou uma reprodução e explicação do calendário em Archives de la commission scientifique de Mexique (Paris, 1866–1867). Devido à deterioração, a reprodução feita em 1866 mostra sinais em mais detalhes do que o original.

Última Atualização: 26 de outubro de 2012