O ritual asteca de oferta contra a seca

Descrição

O Códice Tovar, atribuído ao jesuíta mexicano Juan de Tovar do século XVI, contém informações detalhadas sobre os ritos e cerimônias dos astecas (também conhecidos como mexicas). O códice é ilustrado com 51 pinturas de página inteira em aquarela. Fortemente influenciado por manuscritos pictográficos do período pré-contato, as pinturas são de qualidade artística excepcional. O manuscrito está dividido em três seções. A primeira seção é uma história das viagens dos astecas antes da chegada dos espanhóis. A segunda seção, uma história ilustrada dos astecas, compõe o corpo principal do manuscrito. A terceira seção contém o calendário Tovar. Nesta ilustração da segunda seção, três sacerdotes levam oferendas e andam ao lado de um riacho no qual são lançados os pássaros decapitados. Os sacerdotes usam colares de pedras verdes ou chalchiuitl (jade) e seus cabelos longos estão amarrados com três arcos vermelhos. Dois dos sacerdotes usam um cocar de flores. Todos os homens carregam sacos ou bolsas. Um deles carrega um cajado e um incensório com incenso asteca ou copal (ou copalli, uma resina seca de várias árvores); outro assopra uma concha e o terceiro torce o pescoço de um pássaro. Um cacto com flores descansa em uma ilha no meio da água. As pombas decapitadas eram uma oferta do ritual contra a seca. A concha era muitas vezes utilizada em cerimônias religiosas. O símbolo do cactos com flores representa Tenochtitlan. Sob o reinado de Ahuitzotl (ou Auitzotl, reinou entre 1486 e 1502), o México sofreu uma grande seca. Ahuitzotl construiu uma represa na fonte do Acuecuexco situado em Coyoacan.

Última Atualização: 18 de junho de 2015