Atemoztli, o 16º mês do calendário solar asteca

Descrição

O Códice Tovar, atribuído ao jesuíta mexicano Juan de Tovar do século XVI, contém informações detalhadas sobre os ritos e cerimônias dos astecas (também conhecidos como mexicas). O códice é ilustrado com 51 pinturas de página inteira em aquarela. Fortemente influenciado por manuscritos pictográficos do período pré-contato, as pinturas são de qualidade artística excepcional. O manuscrito está dividido em três seções. A primeira seção é uma história das viagens dos astecas antes da chegada dos espanhóis. A segunda seção é uma história ilustrada dos astecas. A terceira seção contém o calendário Tovar, que registra um calendário civil asteca com os meses, semanas, dias, letras dominicais e festividades religiosas de um calendário cristão de 365 dias. Esta ilustração da terceira seção apresenta um perfil de uma cabeça usando um cocar com penas verdes e segurando um cajado de cobra azul e um vaso de água derramando. Acima dessa cabeça há outra de uma mulher com um disco acima de sua testa. Acima dessa cabeça há uma mão cheia de folhas de grama, acima de uma figura quadrada. O texto descreve a celebração de Tlaloc, o deus da chuva, e o descreve com o rosto de sua mãe e um monte de folhas verdes acima de um degrau do altar para indicar que, através de suas mãos, ele oferece vida à terra por meio de suas chuvas. Este mês, identificado como o de Tomé, o apóstolo, é chamado de Atemoztli (Descenso das águas). O mês era dedicado a Tlaloc. O couatopilli (cajado de cobra) é um atributo comum de Tlaloc. O cocar é o mesmo daquele do mês de Tepeilhuitl. Chalchiuhtlicue (saia de jade), descrita de forma variada como mãe, esposa ou irmã de Tlaloc e deusa dos lagos e riachos, é indicada pela chalchiuitl (jade verde) sobre sua cabeça.

Última Atualização: 26 de outubro de 2012