Hueymiccaihuitl, Grande festa dos mortos, o décimo mês do calendário solar asteca

Descrição

O Códice Tovar, atribuído ao jesuíta mexicano Juan de Tovar do século XVI, contém informações detalhadas sobre os ritos e cerimônias dos astecas (também conhecidos como mexicas). O códice é ilustrado com 51 pinturas de página inteira em aquarela. Fortemente influenciado por manuscritos pictográficos do período pré-contato, as pinturas são de qualidade artística excepcional. O manuscrito está dividido em três seções. A primeira seção é uma história das viagens dos astecas antes da chegada dos espanhóis. A segunda seção é uma história ilustrada dos astecas. A terceira seção contém o calendário Tovar, que registra um calendário civil asteca com os meses, semanas, dias, letras dominicais e festividades religiosas de um calendário cristão de 365 dias. Esta ilustração da terceira seção mostra dois meninos escalando um poste. No topo do poste estão um escudo com penas brancas, lanças, bandeiras em mastros serrados (de cactos), duas flores (possivelmente xocoxochitl), e dois objetos bifurcados (possivelmente teocuitlanacochtli). Acima do poste estão a cabeça de um pássaro de bico longo com uma semente em sua boca, um pão salpicado com nozes que lembra uma noite estrelada, uma espiga de milho e um objeto trapezoidal. O texto descreve o festival como sendo dos tepanecas. Este mês é chamado de Hueymiccaihuitl (ou Xocotlhuetzi; Queda de frutas ou Grande festa dos mortos). Era comemorado com uma competição cerimonial de escalada de poste. O mês era dedicado a Xocotl, o deus asteca do fogo e das estrelas (também chamado de Otontecuhtli, cujo culto foi desenvolvido especialmente entre as tribos tepanecas). Teocuitlanacochtli também eram associados à adoração do deus Xipe Tótec.

Última Atualização: 26 de outubro de 2012