Hueytecuilthuitli, Festa dos grandes senhores, o oitavo mês do calendário solar asteca

Descrição

O Códice Tovar, atribuído ao jesuíta mexicano Juan de Tovar do século XVI, contém informações detalhadas sobre os ritos e cerimônias dos astecas (também conhecidos como mexicas). O códice é ilustrado com 51 pinturas de página inteira em aquarela. Fortemente influenciado por manuscritos pictográficos do período pré-contato, as pinturas são de qualidade artística excepcional. O manuscrito está dividido em três seções. A primeira seção é uma história das viagens dos astecas antes da chegada dos espanhóis. A segunda seção é uma história ilustrada dos astecas. A terceira seção contém o calendário Tovar, que registra um calendário civil asteca com os meses, semanas, dias, letras dominicais e festividades religiosas de um calendário cristão de 365 dias. Esta ilustração da terceira seção descreve um menino vestido como a deusa Xilonen, mostrado com um manto, penas de quetçal e um cocar. Acima de sua cabeça há outra usando um colar de pedras verdes e, aos seus pés, há um leão. O texto descreve este mês como sendo a festa dos mais importantes senhores e chefes, que é celebrada com maior ostentação do que a anterior. Identificado como julho, com o símbolo astrológico do leão, o mês é chamado de Hueytecuilthuitli (Festa dos grandes senhores). Ela foi dedicada a Xilonen, cujo nome significa jovem espiga de milho. Ela também era conhecida como Chicomecoatl (Sete serpentes) e era a deusa do milho e da fertilidade.

Última Atualização: 26 de outubro de 2012