Tlacaxipehualiztli, Festival do depelamento de homens, o segundo mês do calendário solar asteca

Descrição

O Códice Tovar, atribuído ao jesuíta mexicano Juan de Tovar do século XVI, contém informações detalhadas sobre os ritos e cerimônias dos astecas (também conhecidos como mexicas). O códice é ilustrado com 51 pinturas de página inteira em aquarela. Fortemente influenciado por manuscritos pictográficos do período pré-contato, as pinturas são de qualidade artística excepcional. O manuscrito está dividido em três seções. A primeira seção é uma história das viagens dos astecas antes da chegada dos espanhóis. A segunda seção é uma história ilustrada dos astecas. A terceira seção contém o calendário Tovar, que registra um calendário civil asteca com os meses, semanas, dias, letras dominicais e festividades religiosas de um calendário cristão de 365 dias. Esta ilustração da terceira seção descreve o deus Xipe Tótec, ou seu personificador, que é mostrado com uma túnica feita de pele humana esfolada e com a língua para fora. Ele usa um cocar com penas verdes e sandálias. Em sua mão esquerda, ele segura um cajado com chocalho. Na mão direita há duas espigas de milho unidas. Amarrado à faixa de cabeça há um casco de veado. Pendurado em sua orelha direita há um pingente de ouro bifurcado. A seus pés está uma cabra ou carneiro pulando. Este mês, identificado como março com o símbolo astrológico do carneiro ou de Áries, comemorava o festival de Tlacaxipehualiztli (O depelamento de homens). O mês é representado por uma imagem de Xipe Tótec, "nosso senhor o depelado". O cajado com chocalho é uma das insígnias deste deus, além de das duas espigas de milho unidas. O casco de veado é associado aos rituais de caça do deus. O pingente de ouro, chamado de Teocuitlanacochtli, também está intimamente associado ao deus.

Última Atualização: 26 de outubro de 2012