Os meses do calendário asteca Tonalpohualli (contagem dos dias)

Descrição

O Códice Tovar, atribuído ao jesuíta mexicano Juan de Tovar do século XVI, contém informações detalhadas sobre os ritos e cerimônias dos astecas (também conhecidos como mexicas). O códice é ilustrado com 51 pinturas de página inteira em aquarela. Fortemente influenciado por manuscritos pictográficos do período pré-contato, as pinturas são de qualidade artística excepcional. O manuscrito está dividido em três seções. A primeira seção é uma história das viagens dos astecas antes da chegada dos espanhóis. A segunda seção é uma história ilustrada dos astecas. A terceira seção contém o calendário Tovar, que registra um calendário civil asteca com os meses, semanas, dias, letras dominicais e festividades religiosas de um calendário cristão de 365 dias. Esta ilustração da terceira seção descreve um mês asteca, mostrando o nome de cada dia do mês. Na parte superior há uma imagem de um sacerdote com uma pluma de quetçal a seus pés e uma coroa e um calendário circular ao fundo. Os astecas usavam dois calendários para contar os dias do ano. Xiuhpohualli (o primeiro calendário ou o solar) era composto de 365 dias, divididos em 18 meses de 20 unidades cada, mais um período adicional de cinco dias vazios no final do ano. Tonalpohualli (o segundo calendário ou de "contagem dos dias") era composto de 260 dias, combinações de 13 números e 20 símbolos. A cada 52 anos ambos os calendários se alinhavam. A imagem provavelmente indica que o mês mostrado aqui seja o sétimo mês, Tecuilhuitontli (Pequena festa dos senhores).

Última Atualização: 26 de outubro de 2012