Quahuitlehua, crescimento das árvores, o primeiro mês do calendário solar asteca

Descrição

O Códice Tovar, atribuído ao jesuíta mexicano Juan de Tovar do século XVI, contém informações detalhadas sobre os ritos e cerimônias dos astecas (também conhecidos como mexicas). O códice é ilustrado com 51 pinturas de página inteira em aquarela. Fortemente influenciado por manuscritos pictográficos do período pré-contato, as pinturas são de qualidade artística excepcional. O manuscrito está dividido em três seções. A primeira seção é uma história das viagens dos astecas antes da chegada dos espanhóis. A segunda seção é uma história ilustrada dos astecas. A terceira seção contém o calendário Tovar, que registra um calendário civil asteca com os meses, semanas, dias, letras dominicais e festividades religiosas de um calendário cristão de 365 dias. Esta ilustração da terceira seção mostra uma bandeira de listras vermelhas e brancas em um mastro vermelho, adornadas com um penacho com muitas penas coloridas, sabugos milho e frutas e um quadrado com dois peixes. Este mês é identificado como fevereiro e é chamado Quahuitlehua (Crescimento das árvores, ou Cessar das águas). Ele também era conhecido como Atlcahualo, Atlcualo, Xilomaniztli, Cohuailhuitl, Atlmotzacuaya ou Xochzitzquilo. Este mês era dedicado a Tlaloc, o deus da chuva, a quem crianças eram sacrificadas através de afogamento, embora o comentário aqui não mencione esse ritual.

Última Atualização: 26 de outubro de 2012