Ochpaniztli, o 11º mês do calendário solar asteca

Descrição

O Códice Tovar, atribuído ao jesuíta mexicano Juan de Tovar do século XVI, contém informações detalhadas sobre os ritos e cerimônias dos astecas (também conhecidos como mexicas). O códice é ilustrado com 51 pinturas de página inteira em aquarela. Fortemente influenciado por manuscritos pictográficos do período pré-contato, as pinturas são de qualidade artística excepcional. O manuscrito está dividido em três seções. A primeira seção é uma história das viagens dos astecas antes da chegada dos espanhóis. A segunda seção é uma história ilustrada dos astecas. A terceira seção contém o calendário Tovar, que registra um calendário civil asteca com os meses, semanas, dias, letras dominicais e festividades religiosas de um calendário cristão de 365 dias. Esta ilustração da terceira seção mostra um bastão enrolado por tiras decoradas com padrão chevron terminando em um nó, e acima três ramos de giesta. O texto descreve o mês como sendo um perído no qual as tarefas femininas eram homenageadas com a celebração da deusa mãe que varreu a casa de seu filho, Huitzilopochtli, o deus do sol e da guerra. Próximo ao bastão há uma balança. O mês, identificado como setembro, com o símbolo astrológico do signo de Virgem, é chamado de Ochpaniztli (Varredura). Ele era dedicado à deusa Toci. As tiras de algodão são chamadas de tetuitl e simbolizam Toci , Teteo Innan ou Tlaçolteotl, todos os nomes variantes para uma deusa da terra e deusa da lua.

Última Atualização: 26 de outubro de 2012