Hueytozoztli, continuação do festival dos sacrifícios de aves, o quarto mês do calendário solar asteca

Descrição

O Códice Tovar, atribuído ao jesuíta mexicano Juan de Tovar do século XVI, contém informações detalhadas sobre os ritos e cerimônias dos astecas (também conhecidos como mexicas). O códice é ilustrado com 51 pinturas de página inteira em aquarela. Fortemente influenciado por manuscritos pictográficos do período pré-contato, as pinturas são de qualidade artística excepcional. O manuscrito está dividido em três seções. A primeira seção é uma história das viagens dos astecas antes da chegada dos espanhóis. A segunda seção é uma história ilustrada dos astecas. A terceira seção contém o calendário Tovar, que registra um calendário civil asteca com os meses, semanas, dias, letras dominicais e festividades religiosas de um calendário cristão de 365 dias. Nesta ilustração da terceira seção, um pássaro com penas cinzas e vermelhas é atravessado por uma adaga de osso. Este mês, que incluía o dia de São Marcos Evangelista e conhecido como Hueytozoztli (A grande vigília), comemorava o festival de sacrifícios de aves que ocorria durante este mês. Os deuses patronos deste mês, que equivale a abril e maio, foram Centeotl (a deusa do milho) e Chicomecoatl (sete serpentes, a deusa do milho e da fertilidade). O mês incluía a bênção do milho novo. O título da ilustração está corrigido por outra pessoa.

Última Atualização: 26 de outubro de 2012