Tititl, o 17º mês do calendário solar asteca

Descrição

O Códice Tovar, atribuído ao jesuíta mexicano Juan de Tovar do século XVI, contém informações detalhadas sobre os ritos e cerimônias dos astecas (também conhecidos como mexicas). O códice é ilustrado com 51 pinturas de página inteira em aquarela. Fortemente influenciado por manuscritos pictográficos do período pré-contato, as pinturas são de qualidade artística excepcional. O manuscrito está dividido em três seções. A primeira seção é uma história das viagens dos astecas antes da chegada dos espanhóis. A segunda seção é uma história ilustrada dos astecas. A terceira seção contém o calendário Tovar, que registra um calendário civil asteca com os meses, semanas, dias, letras dominicais e festividades religiosas de um calendário cristão de 365 dias. Esta ilustração, da terceira seção, mostra um homem usando um colar duplo de contas azuis com guizos de ouro equilibrando uma corda vertical com um nó em oito em sua extremidade. Acima de sua cabeça há um homem derramando água de um vaso. O texto descreve como os deuses se desdobram para sustentar a máquina do mundo, de modo que a grande violência dos ventos não o destrua. Este mês, identificado como janeiro, é chamado de Crescimento. Entre os comentaristas conhecidos do calendário asteca, apenas Tovar descreve este mês como sendo o símbolo de um cosmos dinâmico. Este mês é muitas vezes identificado com os ritos de tecelões, cuja patrona era a deusa Ilamatecuhtli.

Última Atualização: 26 de outubro de 2012