O livro dos humanos

Descrição

Este manuscrito anônimo pode ser datado entre a segunda metade do século XVIII e os primeiros anos do século XIX, graças a uma marca d'água impressa sobre o papel, de origem inglesa ou holandesa. O manuscrito provavelmente é uma cópia de uma obra anterior. O texto é, em parte, um tratado sobre o corpo humano e sobre como manter uma boa saúde. Ele explica que o corpo é composto de elementos químicos e lida com medicações, nutrição e doenças de várias partes do corpo. Além de tais considerações práticas, o trabalho discute questões de física e fisiologia geral. A estrutura teórica é típica da fisiologia islâmica medieval, na qual o ser humano é visto como um composto de jasad jismānī (o corpo material) e de nafs ruānī (a alma espiritual). A teoria aristotélica dos quatro elementos, constituintes básicos do mundo sublunar, é explicada em grandes detalhes e é ligada a ideias tradicionais a respeito dos quatro humores (bílis negra, bílis amarela, fleuma e sangue) no corpo humano. Esta obra também lida com outras questões filosóficas relativas aos traços característicos dos seres humanos. Ele inclui uma discussão sobre as três faculdades — animal, vegetal e mineral — encarnadas nos seres humanos. O autor cita Al-qanūn fī al-ibb (O cânone da medicina), de Abū ‘Alī al-Ḥusayn ibn ‘Abd Allāh ibn Sīnā (980 a 1037), comumente chamado de Avicena, um dos textos médicos mais amplamente lidos na Idade Média. De uma forma surpreendente, ele também se refere a Balīnas, o nome árabe sob o qual as obras originais e pseudo-epigráficas de Apolônio de Tiana circulavam. A obra fornece um resumo vivaz e uma boa visão geral sobre os conceitos fisiológicos e físicos que deram forma à teoria e à prática médica árabe na Idade Média.

Idioma

Título no Idioma Original

كتاب الإنسان

Tipo de Item

Descrição Física

29 folhas (25 linhas), encadernadas: papel; 22 x 13 centímetros

Estrutura Internacional para a Interoperabilidade de Imagens (IIIF) Ajuda

Última Atualização: 7 de agosto de 2013