Presidiários Alugados para Cortar Árvores

Descrição

Esta fotografia, do início do século XX, mostra as árduas condições de trabalho dos prisioneiros afro-americanos submetidos ao sistema de trabalho presidiário do Estado da Flórida, que tinha uma reputação notória por seu severo sistema penal de trabalho. Por todo o sul dos Estados Unidos, os afro-americanos eram muito mais prováveis de serem encarcerados por pequenos crimes do que os brancos, e a prisão e o trabalho forçado eram as ferramentas usadas pelos governos locais e estadual para colocar em vigor as restrições raciais de Jim Crow. Os acordos entre instituições correcionais e empresas privadas, tais como empresas madeireiras e fabricantes de terebintina, permitiam que as empresas utilizassem o trabalho forçado para reduzir, significativamente, os custos trabalhistas em um estado em que tais custos já eram muito baixos. As empresas que se beneficiavam do sistema davam apoio tático e direto às barreiras legais e sociais erguidas contra os cidadãos negros. Algumas destas relações eram oficiais, tal como o sistema de arrendamento do prisioneiro. Outras eram extra-oficiais, como quando os afro-americanos eram presos por delitos menores ou artificiais, e então arrendados para donos de terras, empresas de construção, ou indústrias madeireiras em troca de propinas, no que se constituía em uma forma moderna de escravidão.

Última Atualização: 22 de outubro de 2014