Levantamento geral de mapas geográficos

Descrição

Di tu zong yao (Levantamento geral de mapas geográficos) é um esboço da geografia militar chinesa em três partes: Zong juan (Volume principal), Nei juan (Volume interno) e Wai juan (Volume externo). Zong juan contém o resumo e a introdução, com uma discussão geral sobre o terreno da China como um todo. Nei juan descreve as capitais do sul e do norte e os 13 governadores provinciais de Shanxi, Shandong, Henan, Shaanxi, Zhejiang, Jiangxi, Huguang (uma província durante as dinastias Yuan e Ming), Sichuan, Fujian, Guangdong, Guangxi, Yunnan e Guizhou. O documento inclui informações sobre o número de estabelecimentos nestas províncias, mapas de territórios e fronteiras, dicionários geográficos de distritos e municípios e conclusões gerais. Wai juan discute medidas defensivas referentes aos rios e mares e os nove redutos militares na fronteira norte. Também abrange locais importantes ao longo do rio Yangtzé, hidrovias para o transporte de grãos e o rio Amarelo, os principais pontos estratégicos contra piratas japoneses, e a escala do transporte marítimo. No final há um apêndice sobre os povos não chineses entitulado “Bárbaros em quatro direções”, que discute vários povos não chineses localizados ao longo do mar. O cabeçalho no começo de cada juan diz: “Avaliado por Li Fuyuan de Linchuan, editado em parceria com Zhu Guoda, Xianshou, de Qiantang, Wu Xueyan, Jinsheng, de Tiandu, Zhu Shaoben, Zhibai, de Haiyang, e Zhu Guogan, Danian, de Jianjiang”. Um posfácio diz: “Por Wu Xueyan, Jingsheng, de Tiandu em Sanyizhai”, indicando que Wu era o editor-chefe. Depois de receber seu título jin shi em 1637, Li Fuyuan, nome de cortesia Ruchun, tornou-se magistrado de Huating. No frontispício dos três volumes está seu prefácio, em que elogia o talento de Zhu Shaoben, um de seus coeditores. No guia editorial ele escreve: “Meus amigos e eu nos dedicamos a estudar o céu e a terra, a examinar a causa da prosperidade e do declínio ao longo da história. Pretendíamos reunir todas essas áreas num livro, e isso levou dez anos para ficar pronto”. A data fornecida no final do prefácio de Li é o ano de Yiyou (1645) da dinastia Ming do Sul, contrapondo a data de Wang Chongmin do 16º ano do reinado de Chongzhen (1643) em sua obra Zhongguo shan ben shu ti yao (Sinopses dos antigos e raros livros chineses). É provável que a primeira data seja a correta. 1645 foi o ano após a morte do imperador Ming Chongzhen. Na época a capital Ming foi saqueada, o exército manchuriano entrou pelos portões da cidade, e o país entrou em crise, o que explicaria a ausência do nome de um reinado na obra. O livro foi gravado por Huang Zhaowen, natural de Huangcun, Shexian, Anhui, cujo nome aparece tanto no prefácio quanto na margem externa da página do livro. A primeira coleção de que o livro fez parte foi a de Liu Chenggan (de 1882 a 1963), proprietário de uma coleção particular chamada Jiayetang, trazendo assim as impressões do selo do colecionador. Aqui apresentamos o prefácio, a introdução editorial, o índice, o juan um e parte do juan dois.

Última Atualização: 29 de outubro de 2015