Catálogo manuscrito da biblioteca de Thomas Jefferson

Descrição

Ao longo de sua vida, Thomas Jefferson (de 1743 a 1826) colecionou livros sobre diversos tópicos e em várias línguas. Enquanto embaixador dos Estados Unidos na França durante a Revolução Americana, ele adquiriu milhares de livros para sua biblioteca em Monticello. Em 1814, o último ano da Guerra de 1812 e quando os britânicos queimaram Washington e a Biblioteca do Congresso, Jefferson possuía a maior coleção pessoal de livros nos Estados Unidos. Ele ofereceu vender sua biblioteca ao Congresso para substituir a coleção que os britânicos haviam destruído. O Congresso aceitou a oferta e Jefferson recebeu 23.950 dólares por 6.487 volumes. No século XVIII, a maioria das bibliotecas era organizada em ordem alfabética, mas Jefferson escolheu organizar sua biblioteca usando uma versão modificada de um sistema criado pelo filósofo britânico Francis Bacon (de 1561 a 1626). Ele classificou seus livros de acordo com as categorias de Memória, Razão e Imaginação, que Jefferson traduziu como História, Filosofia e Belas Artes, e ainda dividiu essas categorias em 44 capítulos. Aqui apresentamos um catálogo da biblioteca de Jefferson, copiado a seu pedido por Nicholas Trist, que estudou Direito com Jefferson, casou com uma de suas netas e serviu como testamenteiro de seus bens. Em vez de usar uma organização em ordem alfabética da categoria de cada assunto, ordem original de entradas que Jefferson preferia, Trist aparentemente trabalhou com base numa cópia do Catálogo da Biblioteca dos Estados Unidos impresso em 1815, preparado por George Watterston, bibliotecário do Congresso, obra que Jefferson marcou para restauração. Trist registrou a conclusão da tarefa numa carta enviada de Louisiana datada em 18 de outubro de 1823. Um incêndio na véspera do Natal de 1851 destruiu quase dois terços dos 6.487 volumes que o Congresso havia adquirido de Jefferson.

Última Atualização: 18 de fevereiro de 2016