Plano de Ayala

Descrição

John Womack, historiador da Revolução Mexicana, chamou o Plano de Ayala de a "Sagrada Escritura" dos Zapatistas. Escrito por Emiliano Zapata e Otílio Montaño e assinado em 25 de novembro de 1911, o plano foi proclamado em Ayala, Morelos, em 28 novembro do mesmo ano. Tornou-se o esboço da rebelião  zapatista após sua ruptura com o iniciador da Revolução Mexicana, Francisco I. Madero. Além de condenar a "traição" do mais conciliatóriao Madero, o Plano de Ayala apresenta as exigências da rebelião agrária zapatista: restituição de terras retiradas de aldeias durante o Porfiriato, além da redistribuição agrária das haciendas maiores, com indenização. Camponeses zapatistas estabelecidos no estado meridional de Morelos, reclamavam estes direitos à força das armas, continuando a rebelião iniciada, porém não concluída, por Madero.

Última Atualização: 25 de setembro de 2015