Proclamação da Emancipação

Descrição

Inicialmente, a Guerra Civil entre o Norte e o Sul foi travada pelo Norte para impedir a secessão do Sul e preservar a União. O fim da escravidão não era uma meta. Isso mudou em 22 de setembro de 1862, quando o presidente Abraham Lincoln lançou sua Proclamação da Emancipação Preliminar, que declarava que os escravos naqueles estados ou partes de estados ainda em rebelião, passariam a ser livres a partir de Primeiro de janeiro de 1863. Cem dias depois, Lincoln promulgou a Proclamação da Emancipação declarando "que todas as pessoas mantidas como escravos", dentro das regiões em rebelião, "são, e doravante serão, livres". O passo ousado de Lincoln foi uma medida militar, pela qual ele esperava inspirar os escravos da Confederação a apoiar a causa da União. Por ser uma medida militar, a proclamação era limitada de várias maneiras. Aplicava-se, apenas, a estados que tinham se separado da União e deixava a escravidão intocável nos estados fronteiriços. Embora a Proclamação da Emancipação não tivesse colocado um fim à escravidão, ela transformou fundamentalmente o caráter da guerra. Dali por diante, cada avanço das tropas federais expandia o domínio da liberdade. Além disso, a proclamação anunciou a aceitação de homens negros no Exército e na Marinha da União. No final da guerra, aproximadamente 200 mil marinheiros e soldados negros haviam lutado pela União e pela sua própria liberdade.

Última Atualização: 11 de setembro de 2013