Secretário da Marinha Judah P. Benjamin, Estados Confederados da América

Descrição

Judah P. Benjamin (1811 a 1884) foi um advogado abastado que exerceu a profissão de procurador-geral, secretário da Guerra e secretário de Estado no gabinete de Jefferson Davis, presidente da Confederação. (Nesta fotografia, ele foi erroneamente identificado como secretário da Marinha). Nasceu em São Tomás, Ilhas Virgens, cresceu em Charleston, Carolina do Sul e cursou a faculdade de direito de Yale. Ele exerceu a profissão de advogado em Nova Orleans e se tornou fazendeiro, possuindo, em determinado momento, 140 escravos. Benjamin foi eleito para o Senado americano por Louisiana em 1852 e exerceu o mandato até o início de 1861 quando, com a secessão dos estados sulistas, Davis o nomeou procurador-geral, tornando-se o primeiro judeu a assumir um cargo em nível de gabinete de um governo americano. Após a guerra, fugiu para a Inglaterra, onde exerceu a profissão de advogado e escreveu um livro considerado um clássico jurídico, A venda da propriedade pessoal (1868). Seu rosto foi estampado na cédula de dois dólares dos confederados, embora fosse uma imagem diferente da que é mostrada aqui. A imagem é de um álbum fotográfico, em sua maioria do período da Guerra Civil, registrado pelo famoso fotógrafo americano Matthew Brady (por volta de 1823 a 1896), que pertenceu ao Imperador Pedro II do Brasil (1825 a 1891), um colecionador de fotografias e ele próprio um fotógrafo. O álbum foi um presente dado ao imperador por Edward Anthony (1818 a 1888), um dos primeiros fotógrafos americanos que, em parceria com seu irmão, tornou-se proprietário de uma empresa líder de vendas de materiais fotográficos nos Estados Unidos na década de 1850. Dom Pedro II pode ter adquirido o álbum durante uma viagem aos Estados Unidos em 1876, quando inaugurou a Exposição Centenária da Filadélfia ao lado do presidente americano Ulysses S. Grant. Brady nasceu no norte de Nova York e era filho de imigrantes vindos da Irlanda. Muito conhecido por fotografias que documentam as batalhas da Guerra Civil Americana, ele iniciou a carreira em 1844, quando abriu um estúdio de retratos de daguerreótipo na esquina da Broadway Street com a Fulton Street, na cidade de Nova York. No decurso das décadas seguintes, Brady produziu retratos das principais figuras públicas americanas, muitos dos quais foram publicados como gravuras em revistas e jornais. Em 1858, ele abriu uma filial em Washington, DC. O álbum, que também contém um pequeno número de impressões não fotográficas, faz parte da Coleção D. Thereza Christina Maria, da Biblioteca Nacional do Brasil. A coleção é composta por 21.742 fotografias reunidas pelo imperador Dom Pedro II ao longo de sua vida, e doadas por ele à Biblioteca Nacional. A coleção também abrange uma grande variedade de assuntos, documentando as conquistas do Brasil e dos brasileiros no século XIX e incluindo muitas fotografias da Europa, África e América do Norte.

Última Atualização: 11 de abril de 2017