Mapas da Península Balcânica

Descrição

Pensando na conferência de paz que deveria acontecer após a Primeira Guerra Mundial, na primavera de 1917 o Ministério das Relações Exteriores britânico criou um departamento especial responsável pela preparação de informações básicas, que seriam usadas por emissários britânicos durante o evento. Mapas da Península Balcânica é o Número 15 em uma série de estudos produzida por este departamento, a maioria dos quais publicada após a conclusão da Conferência de Paz de Paris de 1919. O livro contém uma coleção de sete mapas desdobráveis e uma tabela de tratados. Seis desses mapas são folhas do Mapa geral da Europa, compilado na Sociedade Geográfica Real sob a direção do Setor Geográfico do estado-maior geral, e impresso em 1915 pelo Serviço de Cartografia. Os mapas retratam regiões em torno de sete cidades importantes dentro ou perto dos Balcãs: Jitomir (Zhitomir, na Ucrânia), Buda Pest (Budapeste, na Hungria), Bucuresti (Bucareste, na Romênia), Sofiya (Sófia, na Bulgária), Istambul (na Turquia), e Athenai (Atenas, na Grécia). A obra também inclui um mapa básico histórico do sudeste da Europa, mostrando toda a Península Balcânica e suas fronteiras nacionais a partir de dezembro de 1918, com fronteiras mais antigas estabelecidas pelo Tratado de Berlim (1878), pelo Tratado de San Stefano (1878), e por outros tratados marcados em vermelho. A tabela de tratados, cuja função é explicar o mapa histórico, lista 20 tratados celebrados entre 1812 e 1918 utilizados para definir as fronteiras nos Balcãs. Os impactos de cada tratado, onde relevante, são resumidos para os sete países dos Balcãs: Montenegro, Sérvia, Bulgária, Romênia, Albânia, Grécia e Turquia. Vários estudos na série tratam dos Balcãs, incluindo, por exemplo, O movimento iugoslavo (Número 14); Turquia na Europa (Número 16); e Montenegro (Número 19).

Última Atualização: 11 de setembro de 2017