Combate entre a cavalaria e os navios de guerra. Rendição dos navios

Descrição

Em 5 de setembro de 1918, durante a Guerra Civil Russa, tropas japonesas e do Exército Branco russo capturaram a cidade de Khabarovsk, localizada no rio Amur. Em 7 de setembro, essas forças também aceitaram a rendição da Flotilha Militar Soviética de Amur, formada por 28 navios, incluindo oito canhoneiras com troneira e 10 canhoneiras menores. A flotilha começou a operar durante a Guerra Russo-Japonesa de 1904 a 1905. Durante a ocupação de Khabarovsk, o exército japonês apreendeu quase todos os navios da Flotilha de Amur, chegando a usar alguns para realizar patrulhas fluviais, enquanto outros foram destruídos. Depois de 1922, a União Soviética começou a recompor a frota, e em 1925 e 1926 quase todos os navios tomados pelos japoneses haviam sido devolvidos. Entre agosto de 1918 e outubro de 1922, o Exército Imperial Japonês participou da “Intervenção Siberiana”, uma tentativa das potências aliadas da Primeira Guerra Mundial de apoiar o Exército Branco contra os bolcheviques na Guerra Civil Russa (de 1917 a 1922). Soldados de nove países participaram da intervenção, iniciada em agosto de 1918. Mesmo com a retirada das tropas dos Estados Unidos e do Reino Unido em 1920, o exército japonês permaneceu no Extremo Oriente Russo e na Sibéria por mais dois anos. Mais de 70.000 soldados japoneses participaram dos combates. Para apoiar a ação dos militares japoneses, em 1919 a editora Shōbidō Co. Ltd., com sede em Tóquio, produziu uma série de litografias patrióticas intitulada “Ilustração da Guerra da Sibéria”, que retratava vários acontecimentos da campanha.

Última Atualização: 14 de novembro de 2017