Marcha do exército japonês na cidade de Vladivostok

Descrição

Em 12 de janeiro de 1918, o encouraçado Iwami, da Marinha Imperial Japonesa, navegou para o porto de Vladivostok, na costa pacífica do território russo. O governo japonês temia que o porto, de frente para o Mar do Japão e com grandes estoques de equipamentos militares, caísse em mãos bolchevistas. As tropas japonesas permaneceram no mar até 5 de abril, quando uma loja de proprietários nipônicos foi saqueada e dois cidadãos japoneses foram mortos durante um motim. Após o incidente, o governo japonês aprovou a invasão de uma companhia de fuzileiros navais, que passou a ocupar a cidade. Um destacamento de 100 fuzileiros navais britânicos também participou da invasão. Nesta litografia, tropas japonesas marcham pela cidade, enquanto entusiastas residentes locais agitam bandeiras japonesas. Entre agosto de 1918 e outubro de 1922, o Exército Imperial Japonês participou da “Intervenção Siberiana”, uma tentativa das potências aliadas da Primeira Guerra Mundial de apoiar o Exército Branco contra os bolcheviques na Guerra Civil Russa (de 1917 a 1922). Soldados de nove países participaram da intervenção, iniciada em agosto de 1918. Mesmo com a retirada das tropas dos Estados Unidos e do Reino Unido em 1920, o exército japonês permaneceu no Extremo Oriente Russo e na Sibéria por mais dois anos. Mais de 70.000 soldados japoneses participaram dos combates. Para apoiar a ação dos militares japoneses, em 1919 a editora Shōbidō Co. Ltd., com sede em Tóquio, produziu uma série de litografias patrióticas intitulada “Ilustração da Guerra da Sibéria”, que retratava vários acontecimentos da campanha.

Última Atualização: 14 de novembro de 2017