Bíblia lata de biscoitos

Descrição

Ekitabo ekitukuvu ekya Katonda, kyebayita Baibuli ye Ndagano enkade nempya ekyakyusibwa mu Luganda (Livro Sagrado de Deus, chamado Bíblia do Antigo e do Novo Testamento, traduzido para o luganda), também conhecida como “Bíblia lata de biscoitos”, é a primeira tradução da Bíblia para o luganda, língua dos bagandas, o maior grupo étnico na atual Uganda. A tradução foi feita em Buganda mediante esforços conjuntos dos missionários da Sociedade Missionária da Igreja da Inglaterra e de novos cristãos bagandas convertidos. Missionários britânicos começaram a chegar a Uganda no final do século XIX, com o objetivo de converter a população ao cristianismo. Buscando fornecer a Bíblia aos bagandas em sua própria língua, os missionários usaram uma versão em suaíle para realizar a tradução, concluída depois de seis anos, em 1896. Os primeiros livros a serem traduzidos foram os quatro Evangelhos, concluídos em 1890 pelo reverendo Alexander Mackay, na época chefe da missão protestante em Buganda, e seus bagandas convertidos. Em 1891 um colega de Mackay, o reverendo R. D. Ashe, imprimiu o Evangelho de João na Inglaterra. George William Pilkington, um missionário protestante irlandês que chegou a Buganda em 1891, recebeu a missão de concluir a tradução. Pilkington era um dedicado linguista que havia aprendido bem o idioma luganda durante sua longa jornada da costa do Oceano Índico até Uganda. Em 1891, 17 homens e 14 mulheres trabalharam nas traduções em Buganda. Pilkington e Henry Wright Dutamaguzi (Duta), um muganda, traduziram o livro de Atos, as Epístolas de São Paulo e o livro de Apocalipse. O livro de Atos foi publicado na Grã-Bretanha em 1892. Uma edição com os Evangelhos e o livro de Atos no mesmo volume também foi publicada. Em 1893 uma edição de volume único completa do Novo Testamento já estava disponível em Luganda. Enquanto isso, Pilkington e Duta haviam começado a traduzir o Antigo Testamento. Êxodos e Josué foram os primeiros livros a serem publicados, em 1893, seguidos por Gênesis, Salmos e Daniel, em 1894. Em 1896, os cinco primeiros livros do Antigo Testamento foram publicados num volume único. Pilkington concluiu o restante do Antigo Testamento, exceto os profetas menores, que foram traduzidos pelo reverendo William Arthur Crabtree. Com isso toda a Bíblia foi traduzida para o luganda. Diz a lenda que o grosso livro de três polegadas de largura e três polegadas de espessura era conhecido como Bíblia lata de biscoitos porque a obra foi impressa para se encaixar na lata de biscoitos da Huntley & Palmers, que tinha as mesmas medidas do livro (três polegadas = 7,6 centímetros). Na realidade, a Bíblia tinha esse tamanho porque havia sido impressa em pequenas seções que poderiam ser facilmente transportadas nos sacos de pano usados pelos bagandas. A rápida tradução de partes da Bíblia por pessoas diferentes é evidenciada na numeração das páginas. Os livros de Gênesis a II Samuel são numerados da página 3 à página 720; seguidos por numerações separadas da página 1 à página 709, de I Reis até Cântico dos Cânticos; e página 1 à página 509, de Isaías a Malaquias. O Novo Testamento é numerado da página 3 à página 623. Na impressão final de toda a Bíblia, a Sociedade Bíblica Britânica e Estrangeira decidiu deixar as dimensões físicas como estavam. Isso resultou numa versão final volumosa em forma de bloco. Cópias especiais foram produzidas aos reis de Uganda, Kabaka Mwanga de Buganda, Omukama Kabalega de Bunyoro, e Omukama de Toro. Uma cópia dessa primeira versão da Bíblia em luganda encontra-se preservada no Museu Nacional de Uganda, em Kampala.

Data de Criação

Data do Assunto

Informação da Publicação

Sociedade Bíblica Britânica e Estrangeira, Londres

Idioma

Título no Idioma Original

Ekitabo ekitukuvu ekya Katonda, kyebayita Baibuli ye Ndagano enkade nempya ekyakyusibwa mu Luganda

Lugar

Tipo de Item

Descrição Física

4 volumes (720 páginas, 709 páginas, 509 páginas, 623 páginas); 7,6 x 7,6 centímetros

Observações

  • Do Museu Nacional de Uganda. Digitalizado na Biblioteca Nacional de Uganda com apoio da Corporação Carnegie de Nova York

Referências

  1. Louis Timothy Manarin, And the Word Became Kigambo: Language, Literacy and Bible Translation in Buganda 1875-1931 (Indiana University, Department of History, Ph.D. thesis: 2008).

Estrutura Internacional para a Interoperabilidade de Imagens (IIIF) Ajuda

Última Atualização: 19 de junho de 2017