O livro mais antigo dos Evangelhos em húngaro

Descrição

O Códice de Munique, como este manuscrito é comumente chamado, é um dos antigos manuscritos húngaros mais importantes existentes. A obra contém duas unidades separadas, um calendário e o livro dos Evangelhos mais antigo na língua húngara. Este último, faz parte da chamada Bíblia hussita, o único vestígio escrito do hussitismo na Hungria. Acredita-se que a tradução tenha sido produzida por dois teólogos húngaros, Tamás Pécsi (Thomas de Quinque Ecclesiis) e Bálint Újlaki (Valentinus de Ilok), que, como estudantes em Praga (na época na Boêmia), passaram a ser influenciados pelos ensinamentos de Jan Hus (por volta de 1369 a 1415). O manuscrito original da Bíblia hussita não sobreviveu ao tempo, restando atualmente apenas cópias parciais. Os principais exemplares são, além do Códice de Munique, o Códice de Viena (excertos do Antigo Testamento, preservados pela Biblioteca Nacional Széchényi, em Budapeste) e o Códice Apor (tradução dos 150 salmos, propriedade do Museu Nacional Székely em Sfântu Gheorghe, na Romênia). O manuscrito de Munique foi escrito por György Németi em Târgu Trotus (na Moldávia) em 1466. A obra consiste em 124 páginas e contém os quatro Evangelhos, com uma margem ornamental decorando o início de cada Evangelho. O códice é famoso tanto pelo texto como por seu marco literário, já que Pécsi e Újlaki adotaram pela primeira vez o sistema ortográfico de escrever sons especiais com sinais diacríticos. Não se sabe para onde o códice foi levado após sua conclusão. Ele chegou à recém-fundada biblioteca da corte de Munique, atual Biblioteca Estatal da Baviera, com a biblioteca de Johann Albrecht Widmanstetter (aproximadamente de 1506 a 1557) em 1558. É bem provável que Widmanstetter tenha recebido o livro enquanto trabalhou como chanceler na corte vienense de Tamás Nádasdy, representante do rei húngaro no início da década de 1550.

Última Atualização: 28 de julho de 2017