Cultura do povo, volume 1, números 3 e 4, março e junho de 1979

Descrição

Farhang-i Khalq (Cultura do povo) foi uma publicação bimestral dedicada às culturas e línguas vernáculas do Afeganistão. A palavra Khalq (Povo) é tradicionalmente associada com a política de esquerda no Afeganistão, assim o título também pode ser lido como “Cultura das massas”. Sua primeira edição foi publicada no final do outono de 1978, após a Revolução de Saur que levou o Partido Democrático do Povo do Afeganistão ao poder em 28 de abril daquele ano. A revista contém ensaios sobre dialetos regionais, provérbios tradicionais e minorias culturais como os balúchis e nuristaneses. A publicação também incluía ensaios mais teóricos sobre a história e o significado de línguas vernáculas e culturas em geral. Os artigos eram escritos em pachto e em persa (dari), em quantidades praticamente iguais. A perspectiva revolucionária da publicação pode ser vista de várias formas, como o desenho em linha de Nur Mohammad Taraki (de 1917 a 1979), o líder da Revolução de Saur, na capa frontal. A revista chegou aos seus leitores como um dos vários esforços para promover as culturas vernáculas do Afeganistão, sendo reconhecida pelos seus primeiros esforços para publicar edições nas línguas uzbeque, turcomeno e balúchi. A primeira edição também traz uma dedicação de Muhammad Bariq Shafi’i, um autor e jornalista que foi membro fundador do Partido Democrático do Povo do Afeganistão e serviu como ministro da informação e cultura. Ele elogia a sábia liderança de Nur Mohammad Taraki, e convida os intelectuais do Afeganistão a ajudarem a Farhang-i Khalq a alcançar os corações e as mentes da classe trabalhadora no Afeganistão.

Última Atualização: 30 de setembro de 2016