Criação do universo

Descrição

Āfarīnish-i Dunyā (Criação do universo) é um livro sobre cosmogonia. A obra descreve e compara várias narrativas culturais, religiosas e científicas sobre as origens do universo. O livro é uma tradução do tártaro túrquico (provavelmente de Azari) para o tadjique persa, e publicado pela imprensa do governo tadjique em Tashkent e Stalinabad (atual Duchambé) em 1929. O tradutor é identificado como ʻAbd Allah Shinasi, sobre quem nada se conhece. O livro está organizado em três seções. A seção um discute e critica descrições da criação do universo inspiradas durante a antiguidade e a idade média pelo judaísmo, islamismo e outras religiões. O autor (ou possivelmente o tradutor) ridiculariza tais narrativas, como histórias judaicas, islâmicas e mesopotâmicas em que Deus criou o mundo em seis dias ou que a Terra repousa sobre dois chifres de uma vaca que vive em cima de um peixe que nada nas águas. Após esboçar as várias histórias da criação dos mesopotâmicos, judeus e islâmicos, na segunda seção o autor apresenta a explicação científica da criação do universo, incluindo temas como a rotação da Terra e outros planetas no sistema solar. A terceira seção conclui o livro criticando os versos corânicos usados pelos muçulmanos como evidências da criação do universo. O livro é típico das obras produzidas na Ásia Central durante o início do século XX, quando os modernistas muçulmanos, conhecidos como jadidistas, questionavam o papel da religião na sociedade.

Última Atualização: 29 de setembro de 2016