Nossa Fronteira Científica

Descrição

A “fronteira científica” é um termo usado pelo Primeiro-Ministro Benjamin Disraeli (Lord Beaconsfield) da Grã-Bretanha em 1878 em referência a uma fronteira entre a Índia Britânica (no atual Paquistão) e o Afeganistão, que poderia ser ocupada e defendida de acordo com as necessidades da ciência da estratégia militar, em oposição à fronteira existente, que havia sido formada de forma casual no decurso da expansão britânica através de acordos e anexações. O termo passou a ganhar certa importância nas discussões britânicas sobre a defesa da Índia Britânica contra uma possível invasão da Rússia pelo Afeganistão. Nossa Fronteira Científica, publicada pouco antes do final da Segunda Guerra Anglo-Afegã (de 1878 a 1880), é uma análise do assunto supracitado, escrita para influenciar o debate britânico sobre os termos da paz. O autor, William Patrick Andrew, foi presidente da Companhia Ferroviária de Scinde, Punjab e Déli, e portanto especialista em logística e transporte na Índia e ao longo de suas fronteiras. O livro contém capítulos sobre a Fronteira Noroeste; a história, a geografia e a economia do Afeganistão; as tribos de fronteira independentes; passagens pelas montanhas; possíveis rotas de invasão do Afeganistão para a Índia; e os “Powindahs, ou comerciantes-soldados do Afeganistão”.  Três apêndices abrangem as trincheiras em Sherpur que faziam parte da defesa de Cabul, as vias férreas de Bolan e Khyber (nenhuma das quais construída até o período discutido), e o transporte ferroviário de tropas, cavalos, armas e materiais bélicos na Índia.

Última Atualização: 26 de agosto de 2016