Táticas agressivas: Inglaterra - Afeganistão

Descrição

Táticas agressivas: Inglaterra - Afeganistão é um ensaio de 50 páginas de um autor não identificado sobre a política externa britânica, em específico a política sobre o Afeganistão, publicado durante a Segunda Guerra Anglo-Afegã (de 1878 a 1880). A guerra começou durante o governo conservador de Benjamin Disraeli (Lord Beaconsfield), que foi primeiro-ministro entre fevereiro de 1874 e abril de 1880. Disraeli foi precedido pelo liberal William Gladstone (no cargo de dezembro de 1868 a fevereiro de 1874). Escrito do ponto de vista liberal, o ensaio faz um ataque às políticas de Disraeli e defende as políticas de Gladstone. A obra começa discutindo as relações anglo-russas e a Questão Oriental, ou seja, o destino do Império Otomano, lembrando que a “política conservadora no Afeganistão tem sido dirigida pelos desejos dos Tories e pelas vigilâncias na Turquia na Europa”. O restante do conteúdo defende a política britânica de Gladstone no Afeganistão e critica a política de Disraeli, que, segundo o panfleto, alienou sem necessidade o emir do Afeganistão, Sher Ali (no poder de 1863 a 1866 e de 1868 a 1879), e culminou numa guerra inútil e dispendiosa. Os argumentos apresentados refletem as calorosas discussões na imprensa e no parlamento da Grã-Bretanha durante a década de 1870, enquanto os partidos debatiam sobre como reagir ao expansionismo russo na Ásia Central e se os movimentos russos representavam uma ameaça à Índia Britânica pelo Afeganistão. O autor acusa o governo de Disraeli de ferir a Constituição tácita inglesa ao submeter “o país a uma nova linha de ação política sem consultar o Parlamento”. O ensaio conclui com pedidos pela reforma do sistema político britânico, que precisa garantir que a política externa e interna sejam conduzidas para o “bem geral de todas as pessoas”, e não para o benefício de interesses privados.

Última Atualização: 28 de agosto de 2017