Sul do Afeganistão e Fronteira Noroeste da Índia

Descrição

Sul do Afeganistão e Fronteira Noroeste da Índia é um panfleto com duas obras separadas: “Sul do Afeganistão. Rota Tal-Chotiali”, e um artigo intitulado “Fronteira Noroeste da Índia”. A primeira obra é uma reedição de dois artigos que apareceram pela primeira vez na Army and Navy Magazine, discutindo a importância da rota Tal-Chotiali como uma conexão entre o sul do Afeganistão e a Índia Britânica. O autor, Griffin W. Vyse, defende a permanência de tropas britânicas em Tal (no atual Paquistão), a fim de controlar o terminal leste dessa rota que vai da Índia até Candaar via Pishin. Vyse serviu como engenheiro de campo em parte da Força de Campo de Tal-Chotiali, no sul do Afeganistão, durante a Segunda Guerra Anglo-Afegã (de 1878 a 1880), e baseia seu argumento em informações obtidas de seu serviço no campo. Ele começa com uma discussão geral sobre as passagens da Índia para o Afeganistão e observa que, até bem recentemente, escritores europeus conheciam apenas três dessas passagens: Khyber, Gulairi (ou Gomal), e Bolan, e aponta a existência de muitas outras, incluindo 92 passagens só no território afegão na fronteira com o Baluquistão, dos quais argumenta que a rota Tal-Chotiali é a mais importante. A obra contém uma discussão detalhada da geografia da região, com muitas referências históricas para as rotas utilizadas por líderes militares, citando o imperador Babur em 1505, para atravessar as montanhas que separam o Afeganistão e da Índia. O segundo artigo é um severo ataque sobre a importância atribuída pela política britânica aos distritos da Fronteira Noroeste, que Vyse comenta serem muito mais pobres e difíceis de controlar do que o Baluquistão e o sul do Afeganistão. O panfleto traz o subtítulo “Refutação dos erros cometidos no Parlamento”, e é dedicado ao marquês de Hartington, secretário de estado na Índia. O documento contém o esboço de um grande mapa desdobrável do sul do Afeganistão e do norte do Baluquistão desenhado por Vyse, mostrando a rota Tal-Chotiali.

Última Atualização: 30 de setembro de 2016