Estudos sobre história e filologia orientais

Descrição

Mélanges d'histoire et de philologie orientale (Estudos sobre história e filologia orientais), publicado em Paris por volta de 1854, é um volume comemorativo em homenagem à carreira de 60 anos do orientalista francês Étienne Marc Quatremère (de 1782 a 1857). O volume inclui ensaios de Quatremère sobre os fenícios, o Ofir bíblico, Dário, o rei da Pérsia, Baltazar, o rei da Babilônia, ciência árabe, e estudos de Jerusalém e do rio Jordão. Os ensaios refletem a erudição do autor e seus variados interesses no antigo e moderno Oriente Próximo, sua história e seus idiomas, estudos bíblicos, e análise e tradução textuais. Quatremère nasceu em Paris numa próspera família de comerciantes. Aos 12 anos perdeu o pai, que fora morto no terror revolucionário de 1793 a 1794. Sua mãe reconstruiu o negócio da família e Quatremère recebeu uma educação clássica completa. Ele estudou e ensinou línguas semíticas e persa, além de aprender turco e copta. Seu trabalho com hieróglifos egípcios em alguns aspectos era semelhante ao de Jean-François Champollion (de 1790 a 1832), no que foi considerado uma rivalidade acadêmica entre os dois homens. Ganhador de muitos prêmios e nomeações de prestígio, Quatremère raramente saía de casa e nunca viajou para as regiões do mundo sobre as quais estudou com tanta paixão. Na verdade, ele mantinha uma vida reclusa e foi criticado por alguns por compromisso excessivo ao trabalho. Após sua morte, ele deixou para trás uma biblioteca com mais de 40.000 volumes, incluindo 1.200 manuscritos, adquirida pelo rei Maximiliano II da Baviera. O primeiro ensaio em Mélanges d'histoire et de philologie orientale fala sobre “o gosto por livros entre os povos do Oriente”. Nele, Quatremère marca a diferença entre o estudo do livro e a exposição do livro. A obra também inclui um ensaio biográfico sobre Quatremère por Jules Barthélemy-Saint-Hilaire (de 1805 a 1895), um jornalista e político mais conhecido por seus escritos filosóficos. Esta cópia da Biblioteca do Congresso apresenta um carimbo à tinta em japonês: Minami Manshū Tetsudō Kabushiki Kaisha Tōa Keizai Chōsakyoku zōsho no in (Selo da coleção na Companhia da Ferrovia do Sul da Manchúria, Departamento de Pesquisa Econômica da Ásia Oriental). Durante a Segunda Guerra Mundial, a Companhia da Ferrovia do Sul da Manchúria se dedicou a extensas compilações de informação e atividades operacionais em nome do Exército Imperial Japonês, incluindo esforços para incitar os muçulmanos contra os domínios chinês e russo. É bem provável que o livro tenha sido confiscado pelas Forças Armadas dos EUA no final da Segunda Guerra Mundial e, mais tarde, transferido para a Biblioteca do Congresso.

Última Atualização: 17 de março de 2016