Narrativa pessoal de uma peregrinação para Medina e Meca

Descrição

Richard Francis Burton (de 1821 a 1890) foi um orientalista, soldado, espião, diplomata e explorador britânico mais conhecido por suas viagens à Arábia, África e Índia. Ele nasceu em Torquay, na costa sul da Inglaterra, e foi criado na França e na Itália. Lá começou a mostrar seu excepcional talento com idiomas, aprendendo latim, grego, italiano e francês antes de completar 20 anos. Após dois anos em Oxford, Burton foi recusado por motivos disciplinares. Ele então se juntou ao exército britânico na Índia, onde serviu como agente secreto. Disfarçado como muçulmano pachtun e apoiado pela Sociedade Geográfica Real, em 1853 Burton realizou o hajj para as duas cidades santas muçulmanas, Meca e Medina. Sua obraNarrativa pessoal de uma peregrinação para Medina e Meca de dois volumes relata essa jornada. Burton passou anos se preparando, principalmente durante o tempo em que ficou na Índia. A viagem começou primeiro da Inglaterra para Alexandria, no Egito, e depois Cairo, Suez e Yanbu. De lá, ele viajou para Medina e Meca. Embora não tenha sido o primeiro não muçulmano a realizar o hajj, a precisão de seu relato bem documentado, incluindo suas medições da Caaba em Meca e suas observações da era vitoriana sobre os muçulmanos (especialmente suas anotações sobre boas maneiras), tornaram-lhe imediatamente famoso. Burton começa o primeiro volume de sua obra com uma célebre linha do verso sobre cavalierism do poeta árabe al-Mutanabbi (de 915 a 965 d.C.): “Sou bem conhecido pela noite, pelos corcéis e pelo deserto / pela espada e [pelo convidado], pelo papel e pela pena”. Figura controversa durante sua vida e prolífico escritor e tradutor, Burton deixou para trás 43 volumes de escritos sobre suas viagens e 30 volumes de traduções, incluindo livros sensuais como Kama Sutra de Vatsyayana, O Jardim Perfumado do Xeque Nefzaoui e Noites Árabes. Ele morreu em Trieste, no que até então era a Áustria-Hungria.

Última Atualização: 18 de fevereiro de 2016