Fazendo minha parte para a Irlanda

Descrição

Margaret Skinnider (por volta de 1893 a 1971) nasceu na Escócia de pais irlandeses. Ela tinha formação de professora e lecionou matemática em Glasgow, na Escócia, antes de deixar o trabalho para ir a Dublin a fim de participar da Revolta da Páscoa de abril de 1916. A obra Fazendo minha parte para a Irlanda, de Skinnider, foi publicada nos Estados Unidos em 1917 e apresenta relatos de suas atividades revolucionárias em 1915 e 1916. Ela começa contando a história de sua primeira viagem a Dublin, em 1915, quando contrabandeou detonadores de bombas para a Irlanda para serem usados pelos nacionalistas. O caso é seguido por uma narrativa mais extensa que fala do seu papel na Revolta da Páscoa. Skinnider carregou munição, serviu como mensageira e foi franco-atiradora. Depois de passar sete semanas no hospital se recuperando de três tiros sofridos durante a revolta, ela conseguiu evitar sua prisão e voltou para Glasgow. Durante um breve retorno à Irlanda em agosto de 1916, foi seguida por um detetive e fugiu para os Estados Unidos, onde em 1917 e 1918 realizou campanhas pela causa da independência irlandesa. O livro está ilustrado e contém, além da narrativa de Skinnider, cópias fac-símile de documentos importantes relacionados com os acontecimentos de abril de 1916, incluindo a proclamação de uma república irlandesa pelo governo provisório, selos emitidos pela República durante sua breve existência, a última proclamação emitida por Padraic Pearse, presidente da República, e documento de rendição de Pearse de 29 de abril de 1916. O livro conclui com as letras das músicas cantadas por voluntários irlandeses antes e depois da Revolta da Páscoa. Após morar nos Estados Unidos, Skinnider retornou para a Irlanda e participou ativamente do Cummann na mBan, uma associação de mulheres formada para auxiliar o Exército Republicano Irlandês.

Última Atualização: 14 de novembro de 2017