As descobertas russas no mapa publicado pela Academia Imperial de São Petersburgo

Descrição

Este mapa, que mostra as regiões conhecidas do Alasca no fim do século XVIII, foi baseado no mapa russo de Gerhard Friedrich Müller, publicado em 1754 pela Academia Imperial de São Petersburgo. O mapa foi impresso em 1775 na Fleet Street, em Londres, por Robert Sayer, um famoso comerciante inglês de impressões e mapas. Como o Pacífico Norte e o Ártico constituíam as partes mais desconhecidas do mundo na época, os primeiros mapas do Alasca foram populares na Europa Ocidental e eram reimpressos com frequência. O mapa foi publicado antes da terceira viagem do Capitão Cook do Pacífico ao Alasca em 1778; portanto, ainda era baseado em ângulos de direção e outras informações geográficas obtidas nas viagens combinadas de Vitus Bering e Aleksei Chirikov (representadas por linhas pontilhadas) para o Alasca em 1741, assim como nas descobertas das expedições russas anteriores. O mapa de Sayer mostra as rotas percorridas por Semen Dezhnev em 1648, em torno da Península de Chukotka do Cabo Leste (Cabo Dezhnev, o ponto mais ao nordeste da Ásia); por Bering, pelo que ficou conhecido como Estreito de Bering, em 1728; e por Mikhail Gvozdev e Ivan Fyodorov, em 1732, pelo Estreito de Bering até o Cabo Príncipe de Gales, no lado norte-americano do estreito. O mapa também perpetua o mito de uma grande massa de terra ao norte das Ilhas Aleutas contado pelos nativos de Kamchatka e supostamente visível desde a Ilha de Bering. A representação das Ilhas Aleutas é mais precisa do que em mapas anteriores. Em 1775, exploradores russos e promyshlenniki (comerciante de peles) já tinham viajado bastante pelas Ilhas Aleutas em busca de lontras-marinhas e fornecido informações além do que era conhecido na época de Bering sobre vários grupos de ilhas no arquipélago das Ilhas Aleutas. O mapa também descreve a geografia bem-conhecida em 1775 do Mar de Okhotsk, da Ilha de Sacalina, das Ilhas Curilas e do norte do Japão, além de fornecer informações geográficas sobre a Califórnia com base em explorações espanholas recentes. Algumas características dignas de nota são o ponto de entrada do Estreito de Juan de Fuca, próximo da atual Seattle, e o fictício "Rio do Oeste", vindo das Montanhas Rochosas para o Oceano Pacífico.

Última Atualização: 27 de janeiro de 2016