História da imprensa e do jornalismo em Áden, Arábia

Descrição

História da imprensa e do jornalismo em Áden, Arábia é um relato datilografado de cinco páginas feito por A. Y. Khan em 1940. O documento conta a história do lento desenvolvimento da impressão e publicação em Áden (no atual Iêmen) da década de 1850, quando prisioneiros da Índia Britânica foram forçados a estabelecer e operar uma imprensa na então colônia britânica, até 1940. Naquele ano, a impressão já tinha alcançado uma base comercial sólida e um jornal árabe semanal, Fatat al-Jazirah (Juventude da Península), havia sido fundado. Khan destaca o papel desempenhado pelo impressor Ibrahim Rasem, descrito como “um jovem turco inteligente e bem educado”, que “infundiu vida nova na arte da impressão em Áden” após o fracasso de várias gráficas. A partir de 1932, sua imprensa começou a prestar serviço para o governo de Áden, e também publicou livros e, mais tarde, o jornal. Khan também salienta a importância do jornalista e intelectual Muhammad ‘Ali Luqman (de 1898 a 1966), que em 1932 fundou um jornal, Shamsan Aden, e estabeleceu o Fatat al-Jazirah, com sua primeira edição em 1º de janeiro de 1940. Uma anotação indica que o estudo de Khan era um documento com uma mensagem do cônsul americano em Áden, enviado a Washington em julho de 1944, sobre o assunto “Transmissão de material impresso para a Biblioteca do Congresso”. De acordo com as notas feitas a lápis, a Biblioteca do Congresso recebeu o relatório em 30 de janeiro de 1945. Ele foi encaminhado ao “sr. Clapp”, ou seja, Verner Clapp (de 1901 a 1972), um administrador com interesse em assuntos internacionais. Durante e após a II Guerra Mundial, o Departamento de Estado ajudou a Biblioteca do Congresso a adquirir publicações estrangeiras. Essa cooperação foi precursora do programa de aquisições internacionais mais ambicioso da Biblioteca, criado em 1962 e ativo até hoje.

Última Atualização: 22 de setembro de 2015