Viagens à Arábia: peregrinação ao Najd, berço da raça árabe

Descrição

Voyage en Arabie (Viagens à Arábia) é um relato escrito por Lady Anne Blunt, sobre a viagem que ela e seu marido, o poeta Wilfrid Scawen Blunt, realizaram para a região de Najd da atual Arábia Saudita no inverno de 1878-1879. Lady Anne (de 1837 a 1917), filha do Conde de Lovelace e neta do Lorde Byron, é conhecida tanto como viajante aventureira do Oriente Médio como a mais talentosa amazona e criadora de cavalos árabes de seu tempo. O livro foi publicado pela primeira vez em Londres por John Murray e Sons em 1881 como Peregrinação ao Najd. A obra foi escrita por Lady Anne e extensivamente editada por Wilfrid. Aqui apresentamos a tradução francesa feita por Léopold Derôme (de 1833 a 1889), publicada em Paris no ano seguinte. Derôme era um homem letrado e bibliófilo; este livro é sua única aventura na escrita de relato de viagens. Embora o próprio Derôme nunca tivesse viajado para a Arábia, ele escreveu uma introdução de 68 páginas para sua tradução, em que se atreve a penetrar nas profundezas da psicologia dos beduínos árabes. Usando bastante os pontos de vista de Lady Anne e Wilfrid Blunt, ele escreve que “O árabe do deserto é o exemplo de sua raça, o pai e superior da cidade árabe... Isto é, nobre e de puro sangue”. Em sua jornada, o casal Blunt acompanhou as tribos nômades de Najd do norte da Arábia até Bagdá. Eles passaram tempo com a tribo al-Rashid em sua capital fortificada, Hail. O povo al-Rashid era o tradicional rival dos defensores de Ibn Sa‘ud, do movimento wahhabista islâmico. Wilfrid Blunt chegou até a oferecer seus serviços ao emir al-Rashid como embaixador para a Europa. Em cada etapa da viagem, Lady Anne comenta sobre a excelência dos cavalos que ela encontra e testa suas montarias em excursões de caça. O livro é ilustrado por Gaston Vuillier (falecido em 1915), um prolífico artista e ilustrador que trabalhou para editoras e revistas parisienses. Ele baseou seus desenhos nos esboços e nas descrições de Lady Anne. Charles Barbant (falecido em 1922), cuja oficina era frequentemente usada pelos principais editores franceses, forneceu as placas gravadas. A tradução inclui um mapa preparado especialmente para esta edição, tabelas genealógicas das tribos al-Rashid e al-Sa‘ud, e apêndices sobre a história da seita wahhabista e as condições geofísicas do norte da Arábia. Não há comentários de Wilfrid Blunt nas notas finais sobre a ferrovia no vale do Eufrates ou de Lady Anne sobre “nossa campanha persa”, encontrados na edição original em inglês.

Data de Criação

Data do Assunto

Informação da Publicação

Hachette & Company, Paris

Idioma

Título no Idioma Original

Voyage en Arabie; pèlerinage au Nedjed, berceau de la race arabe

Tipo de Item

Descrição Física

447 páginas, incluindo frontispício, placas, mapa dobrado, tabelas genealógicas; 25 centímetros

Referências

  1. Zahra Freeth and Victor Winstone, “A journey to Hail,” Aramco World 31, number 3 (May–June 1980).

Estrutura Internacional para a Interoperabilidade de Imagens (IIIF) Ajuda

Última Atualização: 22 de setembro de 2015