História dos mongóis, de Genghis Khan a Tamerlão

Descrição

Histoire des Mongols, depuis Tchinguiz-Khan jusqu'à Timour Bey, ou Tamerlan (História dos mongóis, de Genghis Khan a Tamerlão), do barão Abraham Constantin d’Ohsson, é considerado o primeiro estudo ocidental sério sobre os mongóis. O livro foi publicado em Paris em 1824, reeditado nesta edição de quatro volumes em Amsterdã e Haia em 1834 e 1835. D’Ohsson nasceu na Turquia em 1779. Seu pai, Ignatius Mouradgea (1740 a 1807) era filho de mãe francesa e pai armênio católico que trabalhou como tradutor no consulado sueco em Esmirna, na Turquia Otomana, e adotou o nome d’Ohsson em 1787. Ignatius seguiu a carreira de seu pai e se tornou tradutor, trabalhando para a embaixada sueca em Constantinopla (atual Istambul). Isso permitiu que Abraham Constantin se mudasse para a Suécia em 1798, onde se formou pela Universidade de Uppsala e entrou para o corpo diplomático sueco. Ele teve uma notável carreira como diplomata e funcionário do governo, servindo em várias capitais europeias e em Estocolmo, recebendo mais tarde o título de barão. D’Ohsson também se dedicou à pesquisa científica e histórica e, além de seu próprio trabalho, ajudou a concluir e publicar a obra monumental de seu pai: Tableau général de l'Empire othoman (Visão geral do Império Otomano). Histoire des Mongols começa com uma análise das origens nômades dos mongóis, a ascensão de Genghis Khan (1162 a 1227), e as razões pelas quais os mongóis eram bem-sucedidos na guerra. Os volumes seguintes tratam das conquistas mongóis e a história do império até a época de Tamerlão (1336 a 1405) e da fundação da dinastia Timúrida. D’Ohsson trabalhou durante algum tempo na embaixada sueca em Paris, e sua pesquisa se baseou fortemente em manuscritos árabes, persas e sírios da Bibliothéque de la Nation (mais tarde a Bibliothéque nationale de France), bem como em fontes ocidentais. Por muitos anos a Histoire des Mongols se manteve como a obra clássica do assunto.

Última Atualização: 30 de setembro de 2016