O refinado em toda arte agradável

Descrição

Muhammad ibn Ahmad ibn Mansur Bahaʼ al-Din Abu al-Fath al-Ibshihi foi um egípcio letrado nascido em 1388 na aldeia egípcia de Abshawayh, de onde vem seu nisba (em árabe, parte de um nome que indica proveniência). Sua fama repousa sobre a grande reputação do livro que apresentamos aqui, al-Mustaṭraf fī kull fann mustaẓraf (O refinado em toda arte agradável). Al-Ibshihi estudou jurisprudência e gramática, e memorizou o Alcorão aos dez anos. Ele ia com frequência ao Cairo, onde participava das aulas de al-Bulqini. Após a morte de seu pai, al-Ibshihi se tornou pregador e dedicou-se à literatura, algo que amava. Al-Sakhawi observa que al-Ibshihi escreveu outro livro sobre literatura, Aṭwāq al-azhār ʻalá ṣudūr al-anhār (Colares de flores sobre os corações dos rios), e começou um livro sobre a arte de correspondência intitulado Fī ṣanat al-tarassul wa-al-kitābah (Sobre o comércio de correspondência e escrita). Acredita-se que ele também pode ter sido autor de um manuscrito intitulado Tadhkirat al-ʻārifīn wa tabṣirat al-mustabṣirīn (O lembrete para os conscientes e a orientação para os astutos). Al-Ibshihi escreve no início de al-Mustaṭraf que compilou em seu livro toda arte sobre a qual “estudiosos esforçados escrevem volumes”. Tais artes incluem aforismos, literatura, histórias, anedotas, informação, histórias, ditos espirituosos e poesia fina. Al-Ibshihi informa que tomou como exemplos versículos do Alcorão e do hadith autenticado. Ele elaborou excelentes histórias sobre santos, emprestando material de outros livros, como Rabīʻ al-abrār (A primavera dos devotos), de al-Zamakhshari, e al-ʿIqd al-farīd (O colar peculiar), de Ibn ʿAbd Rabbih. O manuscrito está dividido em 84 capítulos e discute vários tópicos dentro da religião, da moral, da natureza, da poesia e da vida humana em todos os seus aspectos.

Última Atualização: 3 de novembro de 2015