Regiões polares da América do Norte, da Baía de Baffin até o Mar de Lincoln

Descrição

Este mapa das regiões árticas, publicado em 1903 pelo Departamento Hidrográfico do Ministério da Marinha dos EUA, mostra as rotas das três expedições polares britânicas e americanas durante o século XIX: a Expedição U.S.S. Polaris de 1871 a 1872, comandada pelo capitão C. F. Hall; a Expedição Britânica no Ártico de 1875 a 1876, comandada pelo capitão G. S. Nares, da Marinha Real; e a Expedição Lady Franklin Bay de 1881 a 1884, comandada pelo tenente A. W. Greely, do Exército dos EUA. O mapa apresenta anotações em vermelho e azul para mostrar mais duas expedições recentes lideradas por Robert E. Peary em 1900 e 1902. Os relevos são representados por contornos, hachuras e pontos de elevação. As profundezas do oceano são dadas em braças, altura em pés. A ilustração no topo oferece uma imagem da costa norte da Groenlândia voltada para o sul, com montanhas retratadas em relevo. Peary (de 1856 a 1920), um oficial da Marinha dos EUA, realizou um total de oito viagens para o Ártico, todas partindo da costa oeste da Groenlândia. Em sua viagem de 1900, ele chegou e deu nome ao Cabo Morris Jesup na ponta norte da Groenlândia. O mapa inclui uma ilustração de Peary e um companheiro levantando a bandeira americana sobre um monte de pedras no cabo, que a 83° 39’ norte é identificada como “provavelmente a área mais ao norte no globo”. Nesta mesma viagem, Peary se aventurou pela primeira vez sobre o banco de gelo e viajou para o norte até as coordenadas 84° 17’ (o mapa mostra 83° 50’), antes de voltar. Em 1906, ele reivindicou uma área “ainda mais ao norte” da posição 87° 06’. Ainda em outra expedição, em 1909, Peary afirmou em 7 de abril ter finalmente chegado ao Polo Norte, a 90° norte. Ele foi acompanhado pelo explorador afro-americano Matthew Henson e por quatro esquimós da Groenlândia, que haviam deixado uma expedição maior composta por sete norte-americanos, 17 esquimós, 19 trenós e 133 cães. Mais tarde, análises de seu livro de registo pessoal e outras evidências da viagem, no entanto, questionam seu registro de navegação e levantam dúvidas sobre se ele e Henson realmente chegaram ao polo.

Última Atualização: 13 de abril de 2016