Mistérios de fenômenos celestiais: oito juan

Descrição

O compilador desta obra foi Yao Guangxiao (de 1335 a 1419). Seu prefácio, datado de 1406 e intitulado “Yao Guangxiao, patriarca budista sênior, preceptor júnior do legítimo herdeiro e duque de Rongguo”, conta a origem e o processo da compilação da obra. Yao Guangxiao, nome budista Daoyan, nome de cortesia Sidao, nomes de estilo Du’an Laoren e Taoxuzi, era natural de Changzhou Xian (atual Suzhou, Jiangsu), e uma figura importante no final da dinastia Yuan e início da dinastia Ming. Ele se tornou um monge budista com 14 anos, mas depois entrou para a vida política. A obra tem um segundo prefácio, escrito em 1463 por Xu Youzhen (de 1407 a 1472), cujo título diz: “Por Xu Youzhen, vice-censor em chefe sênior do Departamento Geral de Fiscalização, superintendente do Grande Canal, acadêmico de Hanlin, ministro do Ministério da Guerra, grande acadêmico de Huagai Hall e Wenyuange, e duque de Wugong”. Este prefácio informa ao leitor que Yao foi um monge que começou a estudar obras sobre astronomia, geografia, hidrovias e o calendário legítimo, concentrando-se principalmente em obras de cosmologia. Ele trabalhava em seu quarto até tarde da noite, em todas as estações. Sua compilação fornece previsões detalhadas, principalmente sobre assuntos militares. No início a obra foi mantida na corte imperial, mas uma cópia circulou fora da corte, sendo adquirida e guardada por Xu Youzhen. Xu faz muitos elogios à obra devido aos seus prognósticos de boa e má sorte, “exatamente como previsto, como apontar o dedo para a palma da mão”. Ele apresenta dois exemplos de previsões precisas. A primeira ocorreu no sétimo mês do ano de 1448, quando Marte se moveu para o sul da Ursa Maior e não recuou, e no oitavo mês houve a Crise Tumu e o imperador Yingzong foi capturado pelos oirates. A segunda previsão aconteceu no sétimo mês do ano de 1456, quando um cometa cujo comprimento cobria metade do céu foi visto no Ocidente, e no primeiro mês do ano seguinte o imperador Yingzong (Zhengtong reinou de 1436 a 1449; e Tianshun reinou de 1457 a 1464), retornou ao trono. Os juan um e dois falam sobre as Três Fortalezas, com ilustrações retratando as Três Fortalezas e as Sete Mansões do Leste, do Norte, do Oeste e o Palácio do Sul, e as constelações circunvizinhas. Citações de Bu tian ge (Canções de estimulação dos céus), um antigo livro de versos com ilustrações dos céus, aparecem no final de cada fortaleza e em cada um dos quatro Palácios das 28 Mansões. O autor registra 283 constelações nas Três Fortalezas e nas 28 Mansões, com 1.463 estrelas. O juan dois contém ilustrações pintadas à mão das formas das 28 Mansões, duas para cada, com o símbolo taoísta fu zhuan vermelho na parte superior, e um símbolo estelar preto na parte inferior; no entanto, uma das 28 Mansões, jiao su, tem quatro ilustrações em dois grupos. O juan três contém a primeira parte da discussão sobre graus e distâncias do Sol e da Lua. O juan quatro continua com a discussão sobre o Sol e a Lua, falando também de astrologia, enquanto o juan cinco discute a linha divisória entre as regiões celestiais e os reinos terrestres, e dá sequência à primeira parte da discussão sobre astrologia diversa. O juan seis prossegue com a discussão sobre astrologia diversa, e também trata de ângulos de vento. O juan sete é sobre vento e chuva, e o juan oito fala sobre previsão do tempo, calamidades naturais e fenômenos naturais incomuns. No índice desta cópia, em vez do termo wang qi (previsão do tempo), usa-se o termo qi xiang (fenômenos meteorológicos). Aqui apresentamos os prefácios, o índice e os juan um e dois.

Última Atualização: 14 de abril de 2016