Mapa da vila dos “selvagens” ottawa, no Estreito de Erie, 1732

Descrição

Detroit foi fundada em 1701 por Antoine Laumet de Lamothe Cadillac, um comerciante francês que construiu um forte no rio Detroit e o chamou de Forte Pontchartrain du Détroit, em homenagem a Louis Phélypeaux, conde de Pontchartrain e ministro da Marinha francesa. Mais tarde os britânicos encurtaram o nome para Detroit (“estreito”). O Forte Pontchartrain ficava perto de três aldeias indígenas, uma das quais era a aldeia Ottawa descrita aqui. O mapa mostra o padrão de grade com que as casas comunais conhecidas como wigwams (tendas de índios norte-americanos) eram organizadas. No topo do mapa duas casas aparecem de perfil, e uma observação diz: “Três ou quatro fogueiras em cada cabana e duas ou três famílias em cada fogueira”. A escala é fornecida em toises, uma antiga unidade de medida francesa; um toise equivale a cerca de 1,95 metros. Quando os europeus chegaram pela primeira vez na América do Norte, indígenas ottawa (uma palavra nativa que significa “comércio”, também grafada odawa), viviam ao longo do rio Ottawa, no leste de Ontário e oeste de Quebec. Samuel de Champlain já havia registrado um encontro com eles em 1615. Mais tarde os indígenas se mudaram para áreas onde hoje ficam Ohio e Michigan. Os ottawas desempenharam um importante papel no comércio de peles com os franceses. Eram geralmente aliados dos índios huronianos e inimigos dos iroqueses. Ao escolher a palavra “des sauvages” para designar os povos da América do Norte, Champlain não quis dizer “selvagens”, mas “moradores da floresta” (do latim silva).

Última Atualização: 4 de novembro de 2015