O cânone da medicina

Descrição

Abu ʻAli al-Husayn Ibn Sina nasceu em Bucara (atual Uzbequistão) em 980 e faleceu em Hamadan (atual Irã) em 1037. Um dos notáveis intelectuais do mundo medieval, conhecido no Ocidente latino como Avicena, este polímata persa era frequentemente mencionado por autores muçulmanos como al-Shaykh al-Raʼīs (o proeminente estudioso), reconhecimento de seu status como um dos sábios mais importantes do mundo islâmico. Prolífico autor, Ibn Sina escreveu sobre tópicos bem diversos, como metafísica, teologia, medicina, psicologia, geociências, física, astronomia, astrologia e química. Na Europa sua fama se dá principalmente por esta obra, al-Qānūn fī al-ṭibb (O cânone da medicina), traduzida para o latim por Gerard de Cremona, no século XII e que continuou fazendo parte do currículo padrão para estudantes de medicina até o final do século XVII. Foi por causa da reputação desta obra, bem como de outras duas também da autoria de Ibn Sina e traduzidas para o latim, al-Adwiya al-qalbīya (Medicação cardíaca) e al-Urjūza fī al-ṭibb (Manual versificado sobre medicina), que o autor às vezes era no Ocidente latino referido como princeps medicorum (príncipe dos médicos). O cânone da medicina está organizado em cinco livros da seguinte forma: O primeiro livro tem como título al-Umūr al-kulliya fī ’ilm al-ṭibb (Generalidades) e abrange os princípios básicos da medicina; o segundo é intitulado al-Adwiya al-mufrada (Matéria Médica) e lista cerca de 800 medicamentos individuais de origem vegetal e mineral; o terceiro livro é o al-Amrāḍ al-juz’iya (Doenças da cabeça aos pés) e discute as doenças de órgãos individuais; o quarto livro traz como título al-Amrāḍ allatī lā takhtaṣṣ bi ’udw bi ’aynihi (Doenças não específicas de órgãos) e discute condições médicas que afetam todo o corpo, como febres e venenos; e o quinto e último livro se chama al-Adwiya al-murakkaba wa al-aqrābādhīn (Drogas compostas) e lista aproximadamente 650 compostos medicinais, bem como seus usos e efeitos. O presente manuscrito inclui o livro um. A maior parte do manuscrito está sem os títulos rubricados. Porém, a primeira página está iluminada, e contém um suntuoso painel com o basmalah ou bismillah (Em nome de Deus) e invocações para a conclusão bem-sucedida da obra. O manuscrito não apresenta data, e os colofões simplesmente informam que o livro foi concluído bi awn allāh (com a ajuda de Deus). As escritas são naskh e ta‘liq em tinta preta, com títulos e divisões destacados em vermelho.

Última Atualização: 8 de agosto de 2017