Desenho de um detalhe arquitetônico de uma abóbada, atribuído a Claudio Coello

Descrição

Claudio Coello (de 1642 a 1693), foi um dos últimos grandes pintores da escola barroca de Madri no século XVII, um período que coincidiu com o reinado do rei Carlos II da Espanha. Filho de um escultor português, Coello foi aprendiz de Francisco Rizi, responsável, em parte, pela introdução de mais exuberância italiana na arte espanhola. Coello pintou muitos afrescos na década de 1670 e desenvolveu seu pródigo senso teatral e seu gosto por arquitetura trompe l’oeil. Ele contribuiu com a criação dos arcos triunfais utilizados para celebrar a entrada de Maria Luísa de Orleães em Madri, no seu casamento com o rei Carlos em 1679. O rei notou o trabalho de Coello, o que resultou em sua nomeação como pintor da corte. A maioria dos afrescos de Coello não sobreviveu, e hoje ele é conhecido principalmente por seus retratos e obras religiosas. O desenho que apresentamos aqui, atribuído a Coello, mostra a influência da quadratura (desenho ou pintura ilusionista que parece estender uma arquitetura real num espaço imaginário), típica da escola bolonhesa. Angelo Michele Colonna e Agostino Mitelli introduziram esse estilo na Espanha em 1658, quando foram contratados por Velázquez para decorar o palácio de Alcázar em Madri. Sua aplicação é sempre di sotto in su, uma técnica de perspectiva que significa “vista de baixo”, e, geralmente, adorna paredes e tetos de palácios e igrejas. Sabe-se que Coello aprendeu essa técnica e a aplicou tanto em Madri como em Saragoça, onde nos anos 1683 e 1684 decorou a Manteria, igreja da irmandade agostiniana de São Tomás de Villanova.

Data de Criação

Data do Assunto

Lugar

Tipo de Item

Descrição Física

1 desenho: tinta e guache; 337 x 260 centímetros

Referências

  1. Prado Museum, Madrid. https://www.museodelprado.es/enciclopedia/enciclopedia-on-line/voz/coello-claudio/.

Estrutura Internacional para a Interoperabilidade de Imagens (IIIF) Ajuda

Última Atualização: 8 de julho de 2015