Mathilde Deslonde Slidell

Descrição

Mathilde Deslonde Slidell (1815 a 1870) nasceu em uma distinta família francesa em Nova Orleans, Louisiana. Ela se casou com John Slidell, senador dos Estados Unidos e diplomata confederado, em 1835. John Slidell é mais lembrado por seu envolvimento no caso Trent, que quase provocou a guerra entre os Estados Unidos e a Grã-Bretanha. Slidell e James Murray Mason eram emissários confederados que estavam viajando para a França, no final de 1861, a bordo do navio inglês Trent. Um navio da União, o San Jacinto, interceptou o Trent e trouxe os homens de volta ao porto de Boston, onde foram presos. Eles tiveram permissão para seguir rumo à Europa depois que os britânicos ameaçaram entrar em guerra por conta desse ato contra o navio britânico em mar aberto. A Sra. Slidell estava com o marido na viagem. Depois da Guerra Civil, os Slidells permaneceram na Europa. A imagem é de um álbum fotográfico, em sua maioria do período da Guerra Civil, registrado pelo famoso fotógrafo americano Matthew Brady (por volta de 1823 a 1896), que pertenceu ao Imperador Pedro II do Brasil (1825 a 1891), um colecionador de fotografias e ele próprio um fotógrafo. O álbum foi um presente dado ao imperador por Edward Anthony (1818 a 1888), um dos primeiros fotógrafos americanos que, em parceria com seu irmão, tornou-se proprietário de uma empresa líder de vendas de materiais fotográficos nos Estados Unidos na década de 1850. Dom Pedro II pode ter adquirido o álbum durante uma viagem aos Estados Unidos em 1876, quando inaugurou a Exposição Centenária da Filadélfia ao lado do presidente americano Ulysses S. Grant. Brady nasceu no norte de Nova York e era filho de imigrantes vindos da Irlanda. Muito conhecido por fotografias que documentam as batalhas da Guerra Civil Americana, ele iniciou a carreira em 1844, quando abriu um estúdio de retratos de daguerreótipo na esquina da Broadway Street com a Fulton Street, na cidade de Nova York. No decurso das décadas seguintes, Brady produziu retratos das principais figuras públicas americanas, muitos dos quais foram publicados como gravuras em revistas e jornais. Em 1858, ele abriu uma filial em Washington, DC. O álbum, que também contém um pequeno número de impressões não fotográficas, faz parte da Coleção D. Thereza Christina Maria, da Biblioteca Nacional do Brasil. A coleção é composta por 21.742 fotografias reunidas pelo imperador Dom Pedro II ao longo de sua vida, e doadas por ele à Biblioteca Nacional. A coleção também abrange uma grande variedade de assuntos, documentando as conquistas do Brasil e dos brasileiros no século XIX e incluindo muitas fotografias da Europa, África e América do Norte.

Última Atualização: 22 de março de 2016