A bola do conde d’Orgel

Descrição

“Eu estava com muitíssima pressa, como alguém que vai morrer jovem e por isso trabalha duas vezes mais”. Essa citação de um dos personagens de Raymond Radiguet poderia ser facilmente atribuída ao próprio autor. Em três anos, Radiguet (de 1903 a 1923) publicou três artigos, além de poemas e romances, entre os quais Le Diable au corps (O diabo na carne) foi best-seller e tornou-se um clássico. Le Bal du Comte d’Orgel (A bola do conde d’Orgel), que apresentamos aqui, foi o segundo romance de Radiguet. Escrito num estilo que lembra o século XVIII, a obra narra o romance entre François e Mahaut, a esposa do conde d’Orgel. Mahaut e François aos poucos acabam se apaixonando. De caráter sincero, Mahaut conta seus sentimentos para o marido, cuja única preocupação é evitar um possível escândalo. Buscando evitar les angoisses du cœur (a angústia do coração), d’Orgel sugere um esquema que, sem que soubesse, mata toda a vida dentro do coração de sua esposa. As últimas palavras do romance, uma ordem declarada pelo conde (“E agora, Mahaut, durma. Assim lhe ordeno.”), são características dessa história. O romance, cheio de referências a romances clássicos como Tristan et Yseult (Tristão e Isolda) e La Princesse de Clèves (A princesa de Clèves), foi descrito por Radiguet da seguinte forma: “Este romance de amor puro será tão indecente na sua própria forma como o romance mais impuro”. Radiguet conseguiu ver apenas as páginas de impressão de seu romance, pois morreu de febre tifóide em 12 de dezembro de 1923. Le Bal du comte d’Orgel foi lançado no ano seguinte pelo editor francês Grasset.

Data de Criação

Data do Assunto

Informação da Publicação

Bernard Grasset, Paris

Idioma

Título no Idioma Original

Le Bal du comte d'Orgel

Outras Palavras-Chave

Tipo de Item

Descrição Física

239 páginas

Estrutura Internacional para a Interoperabilidade de Imagens (IIIF) Ajuda

Última Atualização: 8 de julho de 2015