Contra a corrente

Descrição

Publicada pela primeira vez em 1884, À rebours (Contra a corrente), do romancista francês Joris-Karl Huysmans (de 1848 a 1907), reflete o distanciamento do autor do romantismo de Émile Zola e sua adoção de uma nova estética simbolista. Na ausência de uma trama, a narrativa se concentra no personagem principal, Jean des Esseintes, um estranho esteta solitário e anti-herói que rejeita a modernidade e cultiva um gosto pela decadência. Depois de viver uma vida agitada e exuberante, des Esseintes se cansa da sociedade e refugia-se para uma casa suburbana em Fontenay-aux-Roses, onde coleciona o que acredita ser as obras de arte mais preciosas e os objetos mais raros, e se entrega aos estudos e à inatividade. Ele cria perfumes complexos e cultiva um jardim de flores venenosas. A história de uma tartaruga que morre por causa do peso de pedras preciosas com as quais des Esseintes cobriu seu casco serve como metáfora do destino do personagem principal do livro. Embora tentasse, des Esseintes não consegue escapar de seu enfado do mundo e decide voltar para Paris. O esteticismo fin-de-siècle criado por Huysmans foi grandemente influenciado pelos escritos de Charles Baudelaire, Edgar Allan Poe e Stéphane Mallarmé, e pelas pinturas de Gustave Moreau e Odilon Redon. À rebours se tornou o manifesto do espírito de decadência com o qual uma geração inteira de artistas e intelectuais franceses se identificou. A edição que apresentamos aqui é uma de apenas 130 cópias, e inclui 220 águas-fortes xilografadas em cores produzidas pelo renomado pintor, gravador e ilustrador francês Auguste Lepère (de 1849 a 1918).

Última Atualização: 8 de julho de 2015