Expedições estrangeiras dos franceses contra os turcos e outros sarracenos e mouros no exterior

Descrição

Les Passages faiz oultre mer par les François contre les Turcqs et autres Sarrazins et Mores oultre marins (Expedições estrangeiras dos franceses contra os turcos e outros sarracenos e mouros no exterior), popularmente conhecido como Passages d'outremer (Expedições ao ultramar), é um manuscrito iluminado feito na França por volta de 1472 a 1475. Ele inclui 66 miniaturas, provavelmente pintadas por Jean Colombe (ativo entre 1463 a 1498), um iluminador de Bourges. Após a queda de Constantinopla, em 1453, o Papa Pio II rogou a libertação dos lugares santos cristãos no Oriente Médio. O projeto do papa nunca foi concluído, mas reavivou certo interesse nas Cruzadas realizadas séculos antes pelos europeus. Em 1472, Luís de Laval, governador de Champagne e conselheiro do rei Luís XI, pediu ao seu capelão e secretário, Sébastien Mamerot, para escrever uma crônica das Cruzadas. A obra é uma compilação de várias histórias que vão da lendária conquista de Jerusalém por Carlos Magno à batalha de Nicópolis em 1396 e o cerco a Constantinopla, em 1394-1402. Mais tarde, uma parte do texto foi adicionada ao início do manuscrito: a tradução francesa de uma carta escrita pelo sultão Bayezid II (por volta de 1447 a 1512) ao rei Carlos VIII (de 1470 a 1498), enviada de Constantinopla em 4 de julho de 1488 (fólio 3, verso), acompanhada por uma cópia em latim e italiano (fólio 4, reto). O manuscrito pertenceu sucessivamente a Diane de Poitiers (de 1499 a 1566), a Charles-Henri de Clermont-Tonnerre (de 1571 a 1640), e, de acordo com os ex-libres encontrados no manuscrito, ao Cardeal Mazarin (de 1602 a 1661), antes de se tornar parte da biblioteca real em 1668.

Última Atualização: 17 de outubro de 2017