A flor da natureza

Descrição

Jacob van Maerlant (por volta de 1235 a 1300) foi sem dúvida o mais importante poeta holandês do século XIII. Ele produziu a tradução em verso da Bíblia (o Rijmbijbel) e uma adaptação, Spiegel historiael, do Speculum historiale, de Vincent de Beauvais (falecido em 1264), uma história do mundo até o ano de 1250. O manuscrito apresentado aqui, Der naturen bloeme (A flor da natureza), é uma adaptação de De natura rerum (A natureza das coisas), do filósofo e teólogo Thomas de Cantimpré (por volta de 1200 a aproximadamente 1270). De natura rerum deriva, por sua vez, de fontes clássicas, a mais antiga das quais é a Physiologus, um texto grego escrito em Alexandria no século II, em que são descritos cerca de 50 animais, monstros e minerais. Em sua tradução holandesa, van Maerlant encurtou um pouco o texto de Thomas de Cantimpré; em 13 livros ele discute de forma consecutiva homem, quadrúpedes, aves, peixes e outras criaturas marinhas, répteis, insetos, árvores, ervas medicinais, fontes, pedras preciosas e metais. Em termos gerais, o livro está organizado em ordem alfabética por nome (latim). Neste manuscrito da Biblioteca Nacional dos Países Baixos, Der naturen bloeme é precedido por um calendário para Utrecht e vários tratados curtos, incluindo De natuurkunde van het geheelal (História natural do universo), de um irmão Gheraert van Lienhout (prosperou de 1280 a 1320), uma obra astrológica e um pequeno número de receitas. A obra de Van Maerlant começa no fólio 38 reto. O manuscrito foi produzido por volta de 1350 em Utrecht ou Flanders, sendo difícil determinar o local exato. Ele contém cerca de 460 miniaturas, além de uma série de desenhos das esferas celestes (a partir do fólio 9 reto), alguns dos quais estão inacabados. As iluminuras mais impressionantes são as de homines monstruosi, estranhas raças que dizem viver em terras distantes. Entre eles estão canibais, ciclopes, pessoas com apenas uma perna e outras com pés tão grandes que poderiam ser usados como guarda-sol. Não se sabe muito sobre a procedência do manuscrito. A Academia de Ciências dos Países Baixos adquiriu a obra em 1812 do espólio de G. Th. van der Capellen e sua esposa F. J. d'Hangest d'Yvoy. A mais antiga referência ao manuscrito está no catálogo de um leilão realizado em Haia, em 6 de setembro de 1779, que o registra como pertencente ao livreiro de Haia chamado Cornelis van Buuren. Nesse catálogo, o manuscrito é descrito como “muito antigo, mas limpo e bem conservado” e “um excelente exemplo”.

Data de Criação

Data do Assunto

Título no Idioma Original

Der naturen bloeme

Tipo de Item

Descrição Física

164 fólios: pergaminho; 278 x 208 milímetros

Observações

  • O manuscrito de Der naturen bloeme faz parte do extenso empréstimo da Koninklijke Academie van Wetenschappen (Academia de Ciências Holandesa), fornecido à Biblioteca Nacional dos Países Baixos em 1937.

Estrutura Internacional para a Interoperabilidade de Imagens (IIIF) Ajuda

Última Atualização: 11 de agosto de 2017