Mikhail Baryshnikov no papel de Vestris

Descrição

Esta foto da série “Baryshnikov diversificado” foi tirada pelo fotógrafo Leonid Zhdanov (de 1927 a 2010) em 1969 no primeiro Concurso Internacional de Balé em Moscou. O balé-miniatura Vestris, criado pelo coreógrafo Leonid Yakobson (de 1904 a 1975), tornou-se uma das surpresas mais emocionantes no concurso. Baryshnikov (nascido em 1948) conseguiu reproduzir a história de vida do bailarino mais famoso do século XVIII. Fanfarrão e maquinador, Auguste Vestris se autodenominava o Rei da dança e costumava dizer: “Hoje, a Europa conhece três grandes homens: Frederico, o Grande; Napoleão; e eu!” Demonstrando excelente treinamento clássico, presença de palco, virtuosidade e talento artístico, Baryshnikov, até então com 21 anos, caiu no favoritismo geral do público do balé soviético. Ele nasceu em Riga, na Letônia, onde treinou com Alexander Godunov. Mais tarde se mudou para Leningrado (atual São Petersburgo) e se formou na Escola Coreográfica de Leningrado, na classe do destacado professor Alexander Pushkin. Em 1967-1974, foi solista do Teatro Estatal de Balé e Ópera de Kirov (atual Teatro Mariinsky). Entre seus melhores papéis estiveram Basílio, em Dom Quixote, Alberto, em Gisele, Hamlet, e Adão, em A criação do mundo. Em 1974, durante uma turnê no Canadá, ele permaneceu no Ocidente e se mudou para os Estados Unidos. Sua personalidade e seu trabalho tiveram grande influência no desenvolvimento e na popularização do balé americano. Em 1974-1978, Baryshnikov foi solista com o Teatro de Balé Americano, e de 1980 a 1989 foi seu diretor artístico. Em 1977-1979 foi dançarino líder na companhia de George Balanchine, o Balé da Cidade de Nova York. Ele é reconhecido como dançarino modelo tanto no balé clássico quanto neoclássico. Baryshnikov também se interessava em dança moderna e pós-moderna e realizou brilhantes apresentações na Broadway e atuou em filmes de Hollywood. Zhdanov, um dançarino Bolshoi e depois professor de coreografia por 50 anos, também foi fotógrafo profissional de balé na maior parte de sua carreira. Suas fotos são espontâneas e registram os movimentos, os humores e as emoções dos dançarinos em sua naturalidade. A Instituição Renascimento da Arte em Moscou mantém esta imagem e o restante do arquivo de Zhdanov.

Última Atualização: 3 de fevereiro de 2015