Maya Plisetskaya no papel de A formidável de pés descalços

Descrição

Esta foto foi tirada em 1977 pelo fotógrafo Leonid Zhdanov (de 1927 a 2010), como parte da série “Grandes dançarinos do século XX. Isadora Duncan – Maya Plisetskaya”. Aquele ano marcava o aniversário de 100 anos da dançarina americana Isadora Duncan (de 1877 a 1927), a quem como homenagem o coreógrafo francês Maurice Béjart (de 1927 a 2007) criou o balé Isadora no Teatro Bolshoi, em Moscou. A esta altura, o nome e a obra de “A formidável de pés descalços”, nome que Duncan recebeu de seus contemporâneos, tornaram-se quase um mito. O balé Isadora de Béjart, coreografado para Maya Plisetskaya (nascida em 1925), a primeira bailarina do Teatro Bolshoi e uma das grandes bailarinas do século XX, restaurou a reputação de Duncan. A estreia de Isadora foi um grande sucesso. Plisetskaya recriou o estilo e o espírito da dança livre que Duncan havia concebido na virada dos séculos XIX e XX, desconsiderando as regras do balé clássico. Treinada em Moscou e estudante de Elizaveta Gerdt e mais tarde de Agrippina Vaganova (de 1879 a 1951), Plisetskaya chegou ao Teatro Bolshoi em 1943, quando Galina Ulanova foi considerada o modelo de bailarina clássica. O brilhantismo, o otimismo e a virtuosa dança de Plisetskaya contrastavam com o estilo lírico e emotivo de Ulanova. Plisetskaya mudou a estética do balé durante a segunda metade do século XX, introduzindo uma nova percepção de beleza e formas de movimento. Na idade em que a maioria das bailarinas se aposenta dos palcos, ela adotou um novo estilo, abandonando o balé clássico em favor da coreografia moderna. Alguns dos melhores coreógrafos do século XX, de Kasian Goleizovsky a Roland Petit e Maurice Béjart, criaram obras para ela. Zhdanov, um dançarino Bolshoi e depois professor de coreografia por 50 anos, também foi fotógrafo profissional de balé na maior parte de sua carreira. Suas fotos são espontâneas e registram os movimentos, os humores e as emoções dos dançarinos em sua naturalidade. A Instituição Renascimento da Arte em Moscou mantém esta imagem e o restante do arquivo de Zhdanov.

Última Atualização: 3 de fevereiro de 2015