A epístola paradisíaca

Descrição

Este manuscrito é uma antologia de obras em prosa do poeta persa Tughra-yi Mashhadi (falecido antes de 1667-1668). Risālah-ʼi Firdawsīya (A epístola paradisíaca) é o nome do primeiro item na antologia. É tanto uma evocação das belezas da Caxemira como um elogio ao governador mogol Shah Jahan (de 1592 a 1666). Nada se sabe sobre a infância e a juventude de Tughra, exceto que ele provavelmente nasceu em Mashhad (embora Tabriz também tenha sido apontada como sua cidade natal). Tughra se mudou para a Índia e para a corte de Jahangir (no poder de 1605 a 1627), perto do fim do reinado deste. Durante o reinado do sucessor de Jahangir, Shah Jahan, Tughra entrou para a corte de um dos filhos de Shah Jahan, Murad Bakhsh, e o acompanhou na campanha mogol em Balkh (1646). Embora mal sucedida, essa campanha é contudo comemorada pelo poeta como uma vitória em seu elogio a Murad Bakhsh, Mir’āt al-futūḥ (Espelho de vitórias), que aparece quase no fim desta coleção. Mais tarde Tughra se estabeleceu em Caxemira, onde morreu. Ele está enterrado em Srinagar num lote adjacente ao de Kalim Hamadani, um dos mais importantes poetas persas do século XVII. Tughra escreveu versos em todas as formas populares de poesia persa, mas é mais famoso por suas obras em prosa, conhecidas como risālahs (epístolas), que incluem Risālah-ʼi Firdawsīya e Mir’āt al-futūḥ. Mais de 30 dessas risālahs sobreviveram em inúmeras antologias, servindo como prova da grande estima que Tughra recebeu das gerações seguintes como estilista em prosa.

Última Atualização: 30 de setembro de 2016